20070703

PASSAGEIROS AUMENTAM 17%

No primeiro semestre deste ano, o Sá Carneiro registou um aumento de tráfego na ordem dos 17 por cento relativamente ao ano anterior. São mais 260 mil passageiros, o que totaliza 1,75 milhões. Em Junho, e precisamente no dia em que mais uma companhia aérea de baixo custo começa a operar na cidade, o Aeroporto Francisco Sá Carneiro assinala um acréscimo de 17 por cento de passageiros relativamente ao igual período em 2006, somando um total de 1,75 milhões de passageiros movimentados.O anúncio foi efectuado por Francisco Vieira, director do aeroporto, esclarecendo que “o aumento significa, em termos homólogos, que no primeiro semestre deste ano passaram pelo Sá Carneiro mais 260 mil passageiros do que no ano passado”. Deste número, 30 por cento dos passageiros são referentes aos voos de baixo custo, vulgarmente designados por «low cost». “Estes valores mantêm-nos com um forte optimismo relativamente ao crescimento deste aeroporto”, referiu Francisco Vieira, que estima fechar o ano com um total de 3,4 milhões de passageiros transportados. Acrescente-se que o Aeroporto Francisco Sá Carneiro tem, actualmente, capacidade para movimentar seis milhões de passageiros anuais, mas, se for necessário, pode crescer até aos 15 milhões de passageiros por ano. A estreia de mais uma «low cost»A companhia aérea de baixo custo líder na Europa, easyJet estreou-se na sexta-feira no Aeroporto Francisco Sá Carneiro, estabelecendo a rota entre Porto e Genebra, com o intuito assumido de potencializar a acentuada comunidade portuguesa residente na Suiça.De acordo com o director-geral da easyJet para a Europa do Sul, Arnaldo Muñoz, a nova rota está a ter um “grande sucesso”, com os próximos três meses a registarem taxas de ocupação na ordem dos 90 por cento.O voo inaugural, com a duração de duas horas e custo de 37 euros, foi inclusivamente “baptizado” após a aterragem, com um camião-tanque a projectar um jacto de água na fuselagem, para gáudio dos passageiros. Com a easyJet, passam a ser cinco companhias deste segmento a operar no Sá Carneiro.

10 comentários:

Salem disse...

A Ryanair ja conta com 11 destinos a partir do Porto, a easyjet tem apenas um. Ou seja, a easyjet ainda vai ter muito que andar para apanhar a Ryanair no Porto.

Espectadora Atenta disse...

Ok Salem, mas o que importa é que é mais uma low cost a operar no Aeroporto Francisco Sá Carneiro, que não serve só o Porto, mas sim o Norte de Portugal...:)))

Salem disse...

sim sim, concordo plenamente, so fiz esse pequeno reparo..Mas sem duvida que as lcc são uma mais valia para este aeroporto, uma vez que atrai gente da Galiza e do sul, e ´para a nossa região.

JOSE ALBERTO BRITO RIBEIRO disse...

A crescer a 17% ao ano, o Sá Carneiro em quatro (4) anos esgota a capacidade instalada de 6 M de passageiros...

Anónimo disse...

o q é necessário construir para expandir a capacidade ?

a expansão pode ser feita sem problemas ?


o Lino disse que o Porto dá prejuízo (Lisboa é qo tem q sustentar) e se fosse ferido autonomamente no Norte fechava as portas no dia seguite


Pq q ainda ninguém (privados, pareceria público/privada)se chegou à frente para demonstrar ao individuo que está errado ?

(e estou a falar de algo concreto, não as petições on line)

Jose Silva disse...

Cara EA,

Tem informações sobre o crescimento da Portela ? Se sim, PF publique.

Devido a problemas de projecto e devido ao luxo, o ASC é muito de facto caro. Lembram-se do viaduto externo em que os acessos não encaixavam no patamar principal com uma diferença de 1 metro ou dos recentes problemas com o ar condicionado que não funcionava ? Se calhar, foi feito de propósito para prejudicar a região...

Pedro Menezes Simoes disse...

Anónimo,

a expansão pode ser feita até aos 11milhões de pax sem grandes dificuldades.´A capacidade máxima são 15M.

Actualmente tem 5M, e tem fases de expansão previstas para os 6M, 9M, 11M, e 15M.

Isto possibilitado por obras de expansão da aerogare que custaram 280M€ (400M€ com acessos), incluindo uma derrapagem de 7%. Nada comparado aos 3.100M€+ANA+Acessos+Despoluição terrosnos da portela+Derrapagem da OTA.

Quanto aos interessados na gestão privada, são os mesmos que estão interessados em gerir a OTA (e levar o ASC como brinde). Logo, há conflito de interesses. A somar a isso, o Governo não mostra abertura a essa solução.

Rui Moreira decidiu avançar com um estudo para provar as vantagens da gestão regional. Só depois disso algum privado irá avançar.

Agora, parece-me difícil que um aeroporto com 5Mpax/ano (em breva) não seja rentável. A única explicação nessa altura só poderá ser má gestão

Pedro Menezes Simoes disse...

Pode consultar aqui o Plano Directos do Aeroporto do Porto (pesado: 14MB)
http://www.ana.pt/planos_opo/PD_ASC.pdf

Ou um resumo na agência financeira.
http://www.agenciafinanceira.iol.pt/noticia.php?div_id=1728&id=779265

JOSE ALBERTO BRITO RIBEIRO disse...

É preciso é lutar pelas Low Cost e puxar o maximo de voos de Lisboa para o Porto, li à poco tempo que os Galegos ja se estão a unir e vão criar uma unica base de transporte de carga num dos seus aeroportos, sabendo a inditex é dos maiores clientes do Sa Carneiro em carga ha que começar a ver se os galegos não nos vão começar a roubar mercado tal com faz Lisboa.

Espectadora Atenta disse...

Caro José Silva

Não tenho elementos sobre a Portela, mas vou tratar de os arranjar. Quanto ao que diz sobre o ASC, de facto houve alguns "erros" de projecto, mas não vou ao ponto de dizer que foram propositados para prejudicar a região... Acho que devemos ser lúcidos e perceber que o novo Aeroporto é considerado um dos melhores da europa (o que acha luxo eu chamo design, arquitectura e boas infraestruturas) e foi um importante motor a nível empresarial e turistico para o Norte de Portugal...

Leituras recomendadas