20070718

O modelo da Drenagem

Publicado originalmente aqui.

5 comentários:

JÚLIO SILVA CUNHA disse...

Nem mais...embora tenha achado hilariantes os mimos a Rui Rio!

António Alves disse...

Há aí um pequeno senão: a região Porto não tem globalmente perdido população, é mesmo a área metropolitana que mais tem crescido. Tem perdido é funções e estruturas de decisão e respectivos quadros. Assim como não tem sido capaz de gerar empregos qualificados para a explosão de jovens licenciados que acontece na região. É essa a guerra actualmente em curso.

Jose Silva disse...

António,

A Europa dá trabalho a 2000000 de nortenhos !!! A população a norte aumenta 25% no Verão !!! Lisboa tem captado nos últimos 30 anos população ao resto do país. Eventualmente o AMPorto tem-se safado, mas o Porto concelho e o Norte não.

António Alves disse...

O Porto concelho é um caso aparte; tal como o Lisboa concelho que também perde população a um ritmo tão acelerado como o Porto. Aliás, este problema limita-se aos centros históricos por razões conhecidas e que não vamos aqui analisar esse papel cabe ao blogue baixa do porto)

A Europa dá trabalho a nortenhos e "centrenhos" do interior já desde a década de 60. A região de Lisboa tem captado população ao interior do país tal como a área metropolitana do Porto ao Norte e Centro interiores. Ambas têm crescido bastante.

O que acontece essencialmente nas últimas duas décadas é a deliberada estratégia de captação das funções de direcção e todas as funções subsidiárias e correlacionadas para Lisboa. Isto é, para Lisboa sugam-se a alta direcção da administração pública, as funções mais relevantes do sector terciário, criativo e dos mass media. Neste último caso até a lei que proíbe as televisões regionais não é inocente. Para o arco-noroeste fica a indústria de mão de obra intensiva e o comércio de retalho. Isto prefigura um sistema de desenvolvimento dual. Um de cariz mais elevado para Lisboa, outro de nível mais baixo para o Norte. Mesmo as actividades de alto valor acrescentado que por aqui teimam em subsistir e crescer correm sempre o risco de ter que migrar por falta de capacidade de consumo duma população de baixo poder de compra. É este o risco que corre o noroeste.

É contra isso que é necessário combater. Para isso é necessário obter Poder efectivo. As teorias que remetem para a sociedade civil e para a iniciativa individual esta tarefa só seriam plausíveis se vivessemos num estado de sistema político e economia liberal do tipo "laissez-faire". Com o tipo de sistema político e tradição centralista que temos isso nunca será possível. Ou o Norte agarra uma grande parte do poder político ou uma putativa revolução muda o regime. Doutra forma não é possível.

Trás-os-Montes, Beiras interiores e Alentejo já perderam de tal modo recursos e massa crítica que a sua elevação ao nível das médias nacionais vai ser tarefa para gerações.

Jose Silva disse...

Caro António,
Você tem razão na explicação do modelo dual: Lisboa fica com a carne e deixa os ossos para o Norte. Mais do que avançar com soluções, acho que é necessário consciencializar o Norte do destino que tem. Sobretudos os iludidos com o futebol precisam de saber da inviabilidade do território e já agora do porquê da desvalorização dos imóveis. Está tudo relacionado. Bastaria que 1 milhão de adeptos do FCP percebessem o que é a Drenagem em vez de saberem a última contratação, que nem precisariamos de Regionalização. Desafio-o a postar sobre este assunto.

O interior, Alentejo, Algarve e ilhas tem tido um upgrade no PIB per capita precisamente porque tem menos de 1 milhão de habitantes. Qualquer investimento empresarial apoiado pelo estado central ou a simples existência de serviços públicos são suficientes para alterar a estatística em virtude da escassez populacional.

Leituras recomendadas