20070611

Imigração, Emigração e Migração Interna

Júlio, parabéns ! Excelente artigo

A questão da Imigração, Emigração e migração interna é mais um indicador da dupla ética das elites de Lisboa.

Para a Imigração existem programas de TV pública, preocupação ainda ontem à noite do MRSousa e altos comissariados.

Para a Emigração, além dos 4 milhões de Portugueses que estão fora de Portugal serem maioritariamente do Norte e Centro de Portugal, apenas recebem atenção no 10 de Junho. São encarados como Portugueses de 2ª pela capital. Por sua vez a Norte a Emigração cresce: «Setenta mil desempregados vão para Espanha fazer o que é preciso para a sobrevivência mais rudimentar», «Desemprego empurra 75 mil para Espanha» dos quais 20 mil foram do Norte para a Galiza, etc

Quanto à Migração Interna, há sempre um discurso de apelo à mobilidade, mas são raros os professores da residentes em Lisboa que tem que trabalhar fora da sua região. Pelo contrário, só conheço professores do Norte do ensino obrigatório e secundário destacados para Lisboa. Depois há o caderno de emprego do Expresso onde residem as ofertas de emprego qualificado, em que o destino é invariavelmente um único.

Estas constatações são mais um indicador para a necessidade de maior democracia no desenvolvimento territorial de Portugal.

PS1: Não sou xenofobo. Nada tenho contra os imigrantes nem imagino um país sem emigrantes. O que não aceito é dupla ética dentro do mesmo Estado !

PS2: O seu artigo sobre Montesinho também é benvindo ao Norteamos !

3 comentários:

Anónimo disse...

o fantasma do nazismo e racismo é tanto que nem se pode falar nestes temas
e quando se fala convem sempre chamar a atençao que nao somos nazis nem racistas..

Jose Silva disse...

Caro anónimo,

Penso que fui claro e sem qualquer dupla interpretação. Viva a Democracia !

JÚLIO SILVA CUNHA disse...

O fantasma existe, mas neste caso, o problema está centrado na dupla moral que as elites políticas da capital pregam como dogma!
J.

nota: O artigo de Montesinho será publicado no Norteamos.

Leituras recomendadas