20070629

Luís Filipe Menezes eleito presidente do Eixo Atlântico do Noroeste Peninsular


O presidente da câmara de Gaia, Luís Filipe Menezes, foi eleito presidente do Eixo Atlântico do Noroeste Peninsular, uma associação transfronteiriça que integra, a partir de hoje, 28 cidades da Galiza e do norte de Portugal.
Luís Filipe Menezes sucede ao alcaide de Vigo, Xosé Sánchez Bugallo.A eleição teve lugar na reunião da Comissão Executiva desta associação, que tem como objectivo fundamental o desenvolvimento económico, social, cultural, científico e tecnológico das cidades e regiões que lhe pertencem. Na reunião foi também decidida a integração, já prevista, de dez novas cidades — as galegas Carballo, Vivieiro, Lalín, Verín e Barco de Valdeorras e as portuguesas Matosinhos, Vila do Conde, Mirandela, Barcelos e Famalicão.As cidades que já integravam o Eixo Atlântico eram nove do norte de Portugal (Braga, Bragança, Chaves, Guimarães, Peso da Régua, Porto, Vila Real, Viana do Castelo e Vila Nova de Gaia) e outras tantas da Galiza (Corunha, Ferrol, Lugo, Monforte de Lemos, Ourense, Pontevedra, Santiago de Compostela, Villagarcia de Arousa e Vigo). Luís Filipe Menezes anunciou que vai apresentar o programa do seu mandato na próxima Assembleia-Geral do Eixo Atlântico, que decorrerá em Gaia, no próximo dia 10 de Julho.O autarca referiu que uma das suas prioridades será reforçar o papel da associação como interlocutor da euro-região Norte Portugal-Galiza, ante os governos de Madrid e Lisboa, assim como das instituições da União Europeia.Nesse sentido, Menezes anunciou já a intenção de pedir, na sua qualidade de presidente do Eixo Atlântico, uma audiência a Durão Barroso, para apresentar à Comissão Europeia a realidade da euro-região do Noroeste Peninsular.A ligação ferroviária entre o Porto e as cidades de Vigo, Santiago de Compostela e Corunha é outra questão que será debatida durante o mandato de Menezes, de dois anos. Luís Filipe Menezes defende que a ligação deverá ser efectuada em velocidade elevada (até 220 quilómetros/hora) e não em alta velocidade (300 a 320 quilómetros/hora), dadas as curtas distâncias entre estas cidades.

5 comentários:

Garcia disse...

antigamente era Gallaecia, uma naçom independente

Hoje é uma naçom dividida em 2 países com várias naçons e povos e hoje é uma euro-regiom chamada "Eixo Atlântico do Noroeste Peninsular".

Será que no futuro sera independente e terá o seu correcto nome?

Pedro Morgado disse...

Espero que a omissão de Braga do rol de cidades referidas por Luís Filipe Menezes não seja mais que um simples lapso.

Espectadora Atenta disse...

Esperemos mesmo que seja um lapso!!!

Pedro disse...

Pedro pelo que vejo no teu blog, acho que nao deves ter ilusoes. Infelizmente não estou a ver a ligaçao de alta velocidade a passar por Braga.
Lembra-te que estas coisas são delineadas pensando à escala ibérica, Portugal e Espanha, Lisboa e Madrid.

Acho que é como o Garcia disse. Só se o noroeste fosse independente é que a ligação ferroviária passaria por Braga para se potencializar o noroeste ao máximo e também por responsabilidades históricas, já que Braga era a antiga capital do noroeste e tambem porque actualmente é das cidades mais importantes desta area. Mas como disse, pensando à escala ibérica não estou a ver eles preocuparem-se em incluir Braga.

Anónimo disse...

bloggers,

Como não vivo a Norte do Douro, "jogo" por fora.
A ligação ferroviária rápida Porto-Galiza é imprescindível e urgente.
Conhecendo a distribuição geográfica da zona e na hipótese de ser uma ligação rápida, a qual não exigirá outro tipo de linhas, dificilmente será possível outro traçado que não aproveite a rede existente e, consequentemente, aproveitar as paragens mais importantes e significativas da mesma.

ctos,
joão Moreira

Leituras recomendadas