20070621

Para que serve uma maioria parlamentar

A maioria socialista no parlamento chumbou a proposta de recomendação de estudo da hipótese Portela+1, apresentada pelo CDS-PP. O incómodo com tal proposta era óbvio; os estudos devem ser feitos com uma finalidade resolutiva já pré-delineada. As surpresas são muito más para a opção unipolar do hub da capital!

O argumento utilizado pelo PS para a rejeição da proposta do CDS, radicou no facto de esse estudo estar conectado com a corrida eleitoral à câmara de Lisboa.

Esta atitude é deveras curiosa. Proveniente do mesmo partido que govermentalizou a gestão autárquica (lei das finanças locais) e que envolveu o aparelho de estado (Rui Pereira) e governativo (António Costa) na ambição socialista de vencer a câmara da capital, não deixa de ser revelador da capacidade deste PS em não distinguir o partido (e os seus legítimos interesses) do estado!

5 comentários:

Anónimo disse...

Não estou de acordo com muitas das posições do cds/PP, mas estarei com outras, como é este caso. Assim, é pena que a proposta tenha sido regeitada à partida e eis abaixo alguns argumentos em defesa da hipótese (PORTELA + UM):

1.º) Já existe no Montijo uma base aérea, que, com as necessárias adaptações, poderia ser aproveitada para ser o segundo aeroporto da capital, o aeroporto "low cost" de Lisboa. A refeida base aérea poderia ser transferida para Beja, onde existe uma outra com óptimas condições e que nos foi deixada há alguns anos pelos alemães, ou, até para a Ota;

2.º) Lisboa ficaria assim com dois aeroportos civis, à imagem de muitas outras cidades do mundo;

3.º) Julgo que a questão do novo aeroporto deve ser decidida tendo em atenção a solução para o caso do comboio de alta velocidade, o chamado TGV (à francesa);

4.º) Para já, só vejo a necessidade da ligação por TGV de Lisboa a Madrid. Mais tarde teria interesse, também o TGV: Aveiro – Salamanca – França;

5.º) O TGV viaja a 350 Km/hora e jé este ano atingiu 575 Km/hora, numa experiência em França, pelo que - se espera - a sua velocidade venha a aumentar a médio prazo. Mesmo agora, a ligação por TGV de Lisboa – Porto é ridícula face ao exposto. Melhore-se a actual linha e aproveite-se as potencialidades do Alfa Pendular.

6.º) A ligação Lisboa – Madrid far-se-ia melhoramento da linha já existente entre o Barreiro, Caia e Badajoz;

7.º) O terminal do TGV poderia ficar junto ao Aeroporto no Montijo;

8.º) Em vez de ser o TGV a atravessar o rio Tejo (a 350 Km/h ???) até à gare do Oriente, seria o metropolitano de Lisboa a chegar à Gare do TGV e ao Aeroporto no Montijo. Em alternativa, poderia ser o metro do Sul do Tejo a atravessar o Tejo. Prevê-se venha a chegar ao Seixal e ao Barreiro, mas, nesse caso, teriam que fazer uma outra linha. Entre a Gare do TGV e Aeroporto, passando pelo Barreiro, onde atravessaria o Tejo, e daí até à Gare do Oriente;

9.º) A extensão do metro de Lisboa à outra margem permitiria aos passageiros do TGV, do Aeroporto do Montijo e de muitos dos habitantes do Montijo e do Barreiro a sua distribuição pela capital, aproveitando-se com isso para retirar de Lisboa milhares de automóveis;

10,º) A margem sul é uma zona plana e é, por excelência, o local de expansão da cidade de Lisboa, limitada que está a Norte por uma cadeia de serranias;

11.º) O Montijo permitiria captar passageiros da raia espanhola, que, sendo servido pelo TGV, fica a cerca de 200 Km, enquanto que Madrid está a mais de 300 Km e o respectivo Aeroporto está ainda do lado oposto;

12.º) A OTA por ser mais longe de Lisboa também deve ser pior para o turismo da capital.

No caso de se ser impossível de mudar a opinião pré-concebida do Governo de construir um grande aeroporto para a capital e acabar com o da Portela, então concordo que a melhor solução será Alcochete, que recolhe até algumas das vantagens do Montijo.

Zé da Burra o Alentejano

Anónimo disse...

Queria completar o 4.º) item, acrescentando que se a obra que nos diz respeito quanto à Ligação Madrid - Lisboa não for célere, em breve se chegará a Badajoz por esse meio de transporte e daí até Lisboa por autocarro “Expresso”, i.e.: 1 hora de Madrid a Badajoz (300 Km) e 2 horas mais até Lisboa (200 Km). Que tal?

Zé da Burra o Alentejano

Pedro Menezes Simoes disse...

Caro "Zé da Burra",

Ninguém quererá ir de Madrid até Lisboa por TGV - o avião é muito mais rápido e muito mais barato.

TGV Lisboa Madrid apenas serve Badajoz...

Por outro lado, se funcionar, apenas servirá para a drenagem de lisboa para madrid, como aconteceu anteriormente com o Porto. Porque quer Lisboa ser provincia de madrid?

Anónimo disse...

DADA ATÉ A SUA LOCALIZAÇÃO NO CENTRO DA PENÍNSULA, O AEROPORTO DE MADRID É E SERÁ SEMPRE O PRINCIPAL DA PENÍNSULA IBÉRICA, QUER AGRADE AOS PORTUGUESES OU NÃO!

Porém, se fosse criado um a 200 Km da raia espanhola, de menor qualidade e com taxas reduzidas, que fosse servido pelo TGV, creio que poderia captar passageiros em Espanha, numa faixa ente Badajoz e Cáceres, para viagens "charter" e de "low cost", pois, como se sabe, Madrid fica a mais de 300 Km de Badajoz o seu Aeroporto está ainda do outro lado.
Zé da Burra

JÚLIO SILVA CUNHA disse...

Todas as propostas de criação de novos aeroportos que tiverem por base a mera intervenção estatal, estão dependentes da boa vontade da força política da vez!

Depender de um partido para o investimento público é qq coisa do domínio da fé, logo da irracioanlidade económica!

Apenas devíamos contar com o investimento privado. Para isso, "mais liberdade" devia ser a primeira e única exigência.

Leituras recomendadas