20070927

Vamos brincar à Regionalização?

Era uma vez, um país. Um país e um povo com menos feitos que defeitos, mas ainda assim um país e um povo.
De Abril de 1928 até meados da última década dos anos 60, foi governado por um ditador chamado António Oliveira Salazar. Este homem (no discurso da tomada de posse) proferiu uma frase que viria a tornar-se célebre: "sei o que quero e para onde vou".
Em Abril de 1974, deu-se uma revolução que entre muitas promessas constitucionais assegurava a criação de regiões administrativas desse país, mas por efeito de uma endémica falta de seriedade dos governantes (democratas...) que a precederam nunca chegou a ser feita. Até hoje.
As consequências desse acto irresponsável resultaram em profundas assimetrias e injustiças entre as demais regiões do país e a capital.
Entretanto, com o advento das novas tecnologias da web, surgiram espaços de cidadania, com sites, fóruns e blogs, etc. E com essa ferramenta fantástica o que fizeram os portugueses que até então se sentiam justificadamente defraudados?
Adivinham? É simples, mas vá lá, vou dar uma ajudinha: uni...ram...-! Não, desculpem, ia enganar-vos. A resposta certa, é : de...su...ni...ram...-se!
E sabem o que aconteceu. Aparolaram-se. Confundiram regionalização, com parocaísmo e mesquinhez. Em benefício do centralismo, misturaram o poder central de Lisboa com o Porto, o Porto com Braga, Braga com Guimarães, Guimarães com Aveiro, Aveiro com Coimbra e por aí fora. Cada um começou a "defender" a sua dama, no mais básico estilo comercial, género Sony, ou "o meu cão (de Braga) é mais bonito do que o teu (que é de Guimarães), ou se na tua terra tens dois hospitais eu cá na minha quero três! E por quê? Por que sim.
Apesar de ter prometido por razões óbvias não voltar a participar no "Norteamos", não resisti, tal o absurdo do teor de alguns dos últimos posts.
Caro José Silva, tenha paciência, mas precisa urgentemente de mudar o nome ao blog. Chame-lhe antes: "Desnorteamos". Sempre será mais coerente.

9 comentários:

Rui Valente disse...

Correcção:
onde se lê "que a precederam", deve ler-se "que a sucederam"

As minhas desculpas

Anónimo disse...

podes editar

é sempre um prazer ler os teus comentarios Rui.

Carlos

Rui Valente disse...

Mais um apontamento. A expressão "parocaísmo" é minha, e dou-lhe intencionalmente um sentido exagerado de paroquialismo.

Anónimo disse...

Caro Rui,

Esta a analisar erradamente a questão: Como pode ler no texto inicial do Norteamos, o debate Intra-Norte sempre foi um assunto importante. Há problemas para resolver dentro do Norte. Lisboa sempre suprimiu as questões regionais. Somos todos portugueses, dizem eles, embora uns mais do que outros, digo eu. O Porto, pelo menos os mais distraídos, sempre confundiu Porto com Norte.

Estes comentários demonstram que nós Norte ainda temos muito que reflectir. O Norteamos serve também para ajudar neste debate.

JSilva

Rui Valente disse...

Continuo perfeitamente convicto que a clubite que apontavam ao futebol é bem mais vísivel e exacerbada fora dele.
Não existe objectividade em muitos comentários e uma infantilidade confrangedora que só serve o nosso único inimigo comum: o centralismo do GOVERNO DE L I S B O A !

Anónimo disse...

Rui, tem razão. Mais uma razão para debater e esclarecer.

Jsilva

Pedro Menezes Simoes disse...

"clubite que apontavam ao futebol é bem mais vísivel e exacerbada fora dele."

Na verdade, esse é o maior problema do nosso país. A clubite no futebol não tem problema nenhum. O problema é quando tudo é visto com os olhos da "clubite".

Miguel Coelho disse...

Regionalizar sim com têm de ser bem feito. Esta é a minha visão

http://forumregioes.blogspot.com/2007/10/um-novo-mapa-um-novo-futuro.html

Miguel Coelho disse...

Regionalizar sim, mas só se bem feito. Esta é a minha visão
http://forumregioes.blogspot.com/2007/10/um-novo-mapa-um-novo-futuro.html

Leituras recomendadas