20070915

Nota de pessimismo....

Portugal sempre viveu controlado pelos que orbitam à volta do poder. Desde a batalha de S. Mamede, em 1126, em que os nobres portucalenses convenceram D. Afonso Henriques a prender a Mãe e revoltar-se contra Castela, aos outros nobres que em 1385 convenceram o Mestre de Avis a lutar em Aljubarrota, ao irmão do Rei D. Duarte que o convenceu a investir na Escola de Sagres, a semente dos Descobrimentos, aos nobres que convenceram o Rei D. João IV na restauração, em 1640, àquela minoria que quis a república em 1910. No tempo de Salazar, algum tempo depois, também era uma elite próxima do poder que influenciava as decisões em seu proveito próprio. Não consta que o Ditador tenha alguma vez enriquecido. Já mais recentemente temos a acta finança gerada após a reabertura da Bolsa, os negócios das nacionalizações, os favores, as influências, inventam-se necessidades (aeroportos, Euro, TGV, Expo98, America’s Cup…).
Enriquecer, em Portugal, é sinónimo de influenciar decisões políticas em proveito próprio.
Por isso uma regionalização como deve ser (i.e. aquela que dá às regiões o controlo efectivo dos seus recursos), dificilmente terá pernas para andar.

11 comentários:

Anónimo disse...

"Desde a batalha de S. Mamede, em 1126..."

A batalha de S. Mamede foi em 1128 e não em 1126.

José Alberto Fernandes disse...

Para quando uma petição a favor da regionalização?

SG disse...

obrigado, sr. professor anónimo.

SG disse...

Uma petição pela regionalização com revisão constitucional onde houvesse a introdução de uma 2ª câmara, a da representação das regiões com poder hierárquico acima da AR e possibilidade de controlar o Governo. Senão não vale a pena....

Salem disse...

Não estou a ver as regiões a controlar o governo..O que aconteceria, era uma nova constituição onde o governo central perderia poderes para os governos regionais.

Bruno disse...

com regionalizaçao sempre ha mais hipotese de termos um norte melhor.
Depois tudo depende da educaçao das pessoas, se so pensam nos favores dos empresarios sem escrupulos, ou se trabalham em prol da regiao, protegendo a natureza, a paisagem e os seus cidadaos.

Agora como esta, esta cidade estado lisboeta é que nao. Assim como esta é que a pequena elite corrupta e que so pensa no seu umbigo lucra mais.

Regionalizaçao e algo mais para o norte

Pedro Menezes Simoes disse...

Volto a dizer o que sempre digo: a regionalização precisa de cidadania para funcionar.

Mas também a democracia precisa de cidadania para funcionar.

A regionalização pode ser um processo que ajuda ao desenvolvimento de cidadania.

Pedro Menezes Simoes disse...

"Uma petição pela regionalização com revisão constitucional onde houvesse a introdução de uma 2ª câmara, a da representação das regiões com poder hierárquico acima da AR e possibilidade de controlar o Governo."

Isso parece mais um modelo adequado ao reino unido (um reino com vários países) do que a um país como Portugal.
Não podem ser as partes a controlar o todo, mas o todo a controlar as partes.

jb disse...

Hummmm!

Não me parece que isso da regionalização vá resolver o problema do Norte (ou outra qualquer região).

Tal como (bem) denuncia o post... importante mesmo é:
1. ter acesso aos meios (e recursos)
2. ter o poder de decisão

duvido que a regionalização (tal como foi pensada no passado (e provavelmente sê-lo-á no futuro) permita essas premissas.

Pedro Menezes Simoes disse...

O caminho passa pela redefinição do papel do Estado, maior escrutínio à sua actuação, e maior democracia nas suas decisões

Filipe disse...

"Uma petição pela regionalização com revisão constitucional onde houvesse a introdução de uma 2ª câmara, a da representação das regiões com poder hierárquico acima da AR e possibilidade de controlar o Governo."

"Isso parece mais um modelo adequado ao reino unido (um reino com vários países) do que a um país como Portugal.
Não podem ser as partes a controlar o todo, mas o todo a controlar as partes."

E Portugal é como o Reino Unido, várias nações dentro do mesmo país. O Norte é uma Naçom.
A unica diferença é que cá ainda se respeita menos a identidade das nações. Nem região autonoma ha.
Enfim.. havemos de ser o pior em tudo como sempre.

Leituras recomendadas