20070921

Região de Turismo Norte

O Norte precisa de Aveiro para ganhar ainda mais conteúdo turístico relevante. Aveiro precisa do Aeroporto do Norte e estar integrado nos circuitos turísticos que partem do Porto. Enquanto uns se mostram preocupados por ficar numa região de turismo maior, provavelmente em Aveiro desesperam por ficar de fora.

Qual a vossa opinião? Deveria Aveiro ficar numa Região de Turismo Norte (falo apenas de turismo)? Que vantagens e desvantagens. Por favor indiquem de que cidade / região escrevem.

15 comentários:

Anónimo disse...

Na minha opinião acho que não se devia criar uma região de turismo em que englova todo o norte, porque se não ia se verificar o que já acontece, centralismo a mais ,por exemplo a maior parte das verbas do turismo vai para o douro, penso que está errado, porque o douro já é bastante conhecido e ao mesmo tempo auto promove se com o vinho do porto, tão famoso que ele é.
Quanto ao minho deve haver uma só região pois a que existe só serve para criar divergências, o minho tem muito potencial para estar dependente de uma r.t.do norte.Outra região a de trás-os-montes que englovaria as zonas de vila real, bragança, mirandela, chaves, deve se regiões de turismo com proximidade.

Sérgio Gonçalves

Salem disse...

Caro anónimo

vc tem uma certa razão nisso da centralização, mas por outro lado só uma grande região poderá ter força para competir. Quanto a uma só região no Minho sou totalmente contra.

Quanto á pergunta do Pedro Simões, eu acho que não, por uma questão geográfica:

- Para termos o distrito de Aveiro, teriamos também que ter Viseu e Guarda (Serra da Estrela).

- Quanto ao iten anterior, voce pode dizer: não temos necessariamente de englobar Guarda e Viseu. Então essas pertenceriam a região centro, mas que critério usariamos nós para tentar "ficar" com Aveiro??Se Aveiro geograficamente está no centro??

=)

Pedro Menezes Simoes disse...

Por uma questão de acessibilidades e complementariedade de produto.

Trocando por miúdos... Por norma, os turistas internacionais que venham ao norte de Portugal pela primeira vez vêm fazer um "city break" no Porto. (Alternativamente, vêm para o Douro, e a lá se dirigem directamente).

Após 2 dias no Porto, os turistas quererão conhecer destinos complementares a curta distância (1 hora viagem): Guimarães, Braga, Viana, Lamego, e... Aveiro.

E quando falo aqui do Porto, existem duas razões: não só a a cidade do Norte com maior notoriedade internacional, como é onde está localizado o aeroporto.

Aveiro não atrairá turistas internacionais por si. Atrairá por estar num "pacote" juntamente com o Porto. E o Porto precisa de Aveiro para atrair mais turistas. Mais, é desejável para o Porto que Aveiro consiga alguma notoriedade.

Resumindo, Aveiro ficaria no Norte por lhe acrescentar valor enquanto destino turístico, e por estar na área de proximidade do aeroporto.

Diga-se ainda que o Norte pouco ganha com Viseu e da Serra da Estrela para se reforçar como destino turísticos internacional.

E esta solução (Norte+Aveiro)defende o interesse do Norte e de Aveiro. Talvez não defenda tão bem o interesse do Centro. Não por ficar sem Aveiro, mas por continuar sem "acesso" ao aeroporto.

Nesse sentido, não me oponho a uma criação de regiões turísticas que tenha em conta a área de abrangência dos aeroportos. O centro seria dividido em 2: Oeste, Ribatejo, Templários (Alcobaça, Aljubarrota,...) e Fátima ficariam na região de Turismo de Lisboa, como de algum modo já estão. Do Mondego para cima (+ Castelo Branco) seria Norte.

Anónimo disse...

Ao Pedro Simões:

Sim e não. Então:

1) É tempo de começar a pensar num turismo de século XXI e não em modelos "gastos". O turismo deve ser pensado para fins-de-semana, 5, 7, 15 dias, mas, o mais importante é disponibilizar informações, trajectos, tradições, monumentos, parques/belezas naturais, etc. de modo a que os turistas optem e escolham o que preferem, assim como, modalidades diferentes (aluguer de viatura, grupo, visita guiada,... e para idades e gerações diferentes). Do mesmo modo, possuir trajectos com destinos com preferências históricas, de lazer, contacto com a natureza, produção vinícola, costumes e tradições e por aí adiante.
Quanto às regiões, estas têm que funcionar articuladas. Cada uma deve disponibilizar a informação que lhe pareça mais adequada (na minha maneira de ver, o mais apelativa, bem documentada, em pelo menos, quatro idiomas, com uma pequena referência ao que se pode encontrar).
Quanto à questão de "Aveiro ficar de fora", se a região mostrar interesse(e parece-me que só tem a ganhar, pois, para além da ligação aérea, tem várias ligações rodoviárias e ferroviárias para vários destinos) só valoriza e aumenta a oferta.

Ctos,
João Moreira

Salem disse...

Eu acho que teriamos a ganhar com Aveiro, sem dúvida, não só pela região em si, mas também pelo turismo de negócios. Considero Aveiro uma cidade muito dinamica. Mas por outro lado, não sei até que ponto temos o direito de "roubar" Aveiro ao centro. Quanto ao aeroporto, com ou sem Aveiro, o Centro nunca teria aeroporto, mas continuam a muito perto do aeroporto de Lisboa e do Porto.

Só ha pouco é que vi a ultima parte do post, e sendo assim, eu moro na actual região do Alto Minho, Viana do Castelo.

Pedro Menezes Simoes disse...

"Mas por outro lado, não sei até que ponto temos o direito de "roubar" Aveiro ao centro."

Concordo. Não faz sentido que seja o norte a exigir Aveiro. O norte deve mostrar disponibilidade. Cabe a Aveiro avaliar se tem interesse ou não, e dar o primeiro passo.

FCP disse...

desculpem falar doutro tema mas nao resisto

http://www.abola.pt/nnh/index.asp?op=ver¬icia=128165&tema=5

Pinto da Costa em defesa do Norte

e apontou o FC Porto como «um dos últimos símbolos» de virtude e resistência do Norte, um dos poucos que «ainda não capitularam».

E fez questão de mostrar o seu contentamento ao identificar que «nos últimos anos» passou a ver muito mais portistas na região, contrapondo com uma maioria benfiquista há não muito tempo: «Isso só é possível graças àqueles que não capitularam. Apesar de muitas pessoas responsáveis neste País falarem em REGIONALIZAÇÕES que depois vão adiando, ainda há quem resista no Norte e um dos símbolos de virtude e de força que ainda existem é, sem dúvida, o FC Porto.»


Grande Pinto da Costa :)

Pedro Menezes Simoes disse...

Caro fcp,

Dificilmente fico agradecido. Já basta o país inteiro confundir política de desenvolvimento regional com futebol. Pior ainda é os do futebol acharem que a política de desenvolvimento regional lhe diz respeito.

Menos futebol(ite) e mais imparcialidade/objectividade é o que os Portugueses precisam.

De resto, parabéns ao FCP pelos seus sucessos.

Kei disse...

nao vejo nenhum mal em uma pessoa do norte usar a sua voz para relembrar e promover a regionalização, ja que parece que ninguem o faz ou se calhar outros fazem-no mas nao com tanta visibilidade.

Se calhar nestes ultimos meses Pinto da Costa ao dizer isso foi o que teve mais visibilidade e mais fez ouvir a regionalizaçao.

Não vejo mal nenhum em usar a area em que estão para defender o norte.
Ha muito preconceito por ser do desporto e promover ou dizer isto ou aquilo a defender o norte.
Porem se fosse um empresario ou presidente de uma associaçao de vinhos ou de textil ou o dono de uma loja da baixa, ja achavam correcto.

Acho ridiculo ser "proibido" e ser mau quem esta no desporto nao poder usar o seu mediatismo publico em prol do norte.
O desporto é mais uma area como as outras, é o lazer do povo, é algo que faz bem à saude do povo se praticado, é uma industria e tem muito reconhecimento publico, agora porque razão se um gajo qualquer dos vinhos ou duma loja da baixa, que ninguem conhece, opinar acerca da regionalizaçao é considerado uma mais valia e um senhor do desporto que é uma pessoa como as outras e ainda por cima é mais reconhecido, é ja considerado como mau, "mais valia estar calado", "la vao confundir o futebol com a regionalizaçao", "la vai prejudicar a regionalizaçao, etc?

Sinceramente nao percebo essa vossa fobia com o desporto.
É que é ridiculo, um homem dos vinhos, dos sapatos ou duma lojeca que ninguem conhece, se falar da regionalizaçao é uma mais valia. Ja um homem da bola, de um clube que representa uma cidade em varios desportos é considerado pessimo.

Pedro Menezes Simoes disse...

"O F. C. Porto é visto como um símbolo da região. Representa as gentes do Norte. Tem responsabilidades acrescidas, pois, enquanto que os governantes deixaram a regionalização na gaveta, o F. C. Porto não capitulou. Continua a resistir e a representar o Norte"- Pinto da Costa

Rejeito e rejeitarei sempre qualquer tentativa de representação política por instituições desportivas.

O vendedor de vinhos fala por si. O representante associativo pela sua associação. O Pinto da Costa, em vez de falar pelo FCP ou pelos seus sócios, arroga-se o direito de representar os nortenhos. Lamento, mas não lhe reconheço esse direito. Concorde ou não com a causa.

amaalves disse...

Caro Pedro Menezes Simões,

A legitimidade de Pinto da Costa para falar em nome do Norte é igualzinha à sua (na minha opinião muito maior pelo que representa e, mais ainda, pela instituição que dirige). Também você não foi eleito por ninguém para falar em nome do Norte e no entanto fala e emite aqui opinião (avalizada na minha modesta opinião). A liberdade de opinião é um bem inestimável e Pinto da Costa tem direito à sua tanto quanto qualquer um de nós. E sinceramente, eu também acho que essa vossa fobia ao "representativismo" do FC Porto é fruto duma consciência dominada pelas teses do centralismo e complexo de inferioridade. Na Catalunha ninguém se incomoda com isso. Na Catalunha o Barcelona é um símbolo da autonomia e todos se orgulham disso. Por aqui a dominação centralista é mais eficaz e tem subjugado melhor as consciências. Por lá, após a vitória de Franco a direcção do Barça foi fuzilada. Mesmo assim, durante décadas, os adeptos do Barça, religiosamente, insultaram Franco, no estádio, sempre que o Barça jogava.

Pedro Menezes Simoes disse...

"A legitimidade de Pinto da Costa para falar em nome do Norte é igualzinha à sua"

Que é nenhuma. Por isso é que escrevo em meu nome apenas. Nunca afirmei ser representante do Norte. Nem sequer represento este blogue... Aliás, quanto a este assunto, há aqui quem discorde de mim.

De resto, tenho que fazer um mea culpa. Não aceito que o PC se arrogue a qualidade de representante do norte para pedir regionalizações. No entanto, após uma segunda leitura (noutra fonte), reconheço que não era isso que ele estava a dizer. Estava a dizer que o FCP, ao contrário das outras instituições que abandoram a região, não se resignou face aos poderes centralistas. Já isto aceito perfeitamente que ele diga (tal como não aceito, por exemplo, que o Benfica tenha recomendado o voto no PSD em 2001)

António Alves disse...

Nunca, na minha vida que já vai relativamente longa, ouvi PC intitular-se representante do Norte. Quanto ao FC Porto, é-o e muito bem.

Kei disse...

amaalves tirou-me as palavras da boca. concordo inteiramente.

É que é mesmo assim. Os escritores aqui do blog podem falar em nome do norte, pedir regionalização, pedir Aveiro para o Turismo do Norte, etc. Mas se é o Pinto da Costa, que é uma pessoa como as outras, apenas aproveita o meio em que está, então já não pode.
Se fosse o senhor dos vinhos a pedir Aveiro para o Norte, tudo bem, se fosse o Pinto da Costa ou o FCP então tudo mal.


"E sinceramente, eu também acho que essa vossa fobia ao "representativismo" do FC Porto é fruto duma consciência dominada pelas teses do centralismo e complexo de inferioridade. Na Catalunha ninguém se incomoda com isso. Na Catalunha o Barcelona é um símbolo da autonomia e todos se orgulham disso. Por aqui a dominação centralista é mais eficaz e tem subjugado melhor as consciências."

concordo inteiramente.
Repare que aqui nem temos o nome da nossa região, ele foi apagado, abafado e esquecido e hoje somos Norte :) Não somos a região Calécia nem PortuCALE. A nossa escrita foi mudada pela versão lisboeta, a nossa pronuncia esta a desaparecer pois tem sido substituida pela pronuncia lisboeta dos meios de comunicação social. Longe vão os "oms" e os "bs".
Além disso nem sabemos a nossa verdadeira identidade. Pensamos que somos Lusitanos e que todo o Portugal é Lusitano, quando nós do norte somos e sempre fomos Galaicos. Mesmo quando sabemos, temos medo de dizer quem somos, pois ser Galaico é mau, é entrar em questões etnicas, é isto e aquilo, enfim inventa-se qualquer desculpa. Se dizemos que somos Lusitanos não ha problema, se dizemos que somos Galaicos está o caldo entornado e "ai que ja querem a independencia, ai que eles nao podem dizer quem sao, ai que eles querem ser diferentes, etc".

Não ha duvida que a dominação centralista foi milhentas vezes mais eficaz que em Espanha.
Se Lisboa controlasse a Espanha, então a esta hora os Catalães pensariam que eram Lusos lol :) e nem região autonoma eram, nem lingua teriam.

Pedro Menezes Simoes disse...

"É que é mesmo assim. Os escritores aqui do blog podem falar em nome do norte, pedir regionalização, pedir Aveiro para o Turismo do Norte, etc. Mas se é o Pinto da Costa, que é uma pessoa como as outras, apenas aproveita o meio em que está, então já não pode.
Se fosse o senhor dos vinhos a pedir Aveiro para o Norte, tudo bem, se fosse o Pinto da Costa ou o FCP então tudo mal."


Já respondi 2 vezes a isto, uma e delas foi a si. Por favor leia as respostas aos seus comentários antes de repetir as mesmas críticas.

Leituras recomendadas