20070929

Menezes 1 - Centralismo 0

Como os leitores sabem, o Norteamos não entra em política partidária. No entanto hoje abro uma excepção para me referir à vitoria de Menezes que efectivamente  me alegra.

A esta hora já algumas coisas importantes foram escritas, como este e este comentário do CAA no Blasfemias. Porém quero assinalar que esta vitória representa uma derrota para o Centralismo. Nestas eleições o que esteve em causa, tal como nas eleições Sócrates/Santana ou nas eleições Guterres/Fernando Nogueira era um confronto entre os interesses oligarquicos/elitistas/lisboetas e as bases/populistas do resto de Portugal. Nas anteriores eleições, o Centralismo ganhou aliado ao PS ou ao PSD. O Centralismo não escolhe cores ideológicas. Desta vez, o PSD dos interesses perdeu. Não precisamos de consultar a lista dos Bilderberg nacionais aqui, aqui e aqui para perceber que estes, Joaquim Pedro Aguiar Branco, Durão Barroso, Balsemão, estariam do lado de Marques Mendes. Aliás, como o João Miranda refere bem, não havia ninguem conhecido para entrevistar na sede de Menezes.

Desde que D.João II decidiu centralizar o poder para assegurar as fronteiras do Estado e a expansão ultramarina, as derrostas do Centralismo tem sido escassas.

Por isso hoje é dia de alguma festa: É sempre reconfortante assistir a este discurso de PTCruz e  e a este de JPachecoPereira bem detectados pelo Pedro Morgado.

Será este o caminho para o Norte sair da situação em que está ? Duvído. Como refere aqui o LR, Menezes tem muitos rabos de palha, incoerências e inimigos do status quo de Lisboa para se poder ter grandes espectativas relativamente ao nosso futuro.

 

PS: Não milito em nenhum partido.

11 comentários:

josé manuel faria disse...

Caro José Silva, o amigo diz que não milita em nenhum partido, é uma opção.

Digo que faz mal, é por dentro que se pode fazer algo para mudar.

Acredite.

Pedro Menezes Simoes disse...

Tem vantagem nalgumas coisas: ninguém vai achar que os raciocínios do José Silva neste post tem objectivos partidários.

Há uma liberdade de expressão / credibilidade acrescida. E isso é importante para quem procura fazer opinião.

Pedro Menezes Simoes disse...

Várias coisas são certas:
- O PSD apoiará a regionalização sem hesitação, o que aumenta fortemente a probabilidade desta passar.
- A fusão de autarquias (pelo menos Porto+Gaia) ganha espaço na agenda política.
- A democracia interna do PSD sai muito reforçada. O líder deixará de ser eleito nos "corredores", mas no convencimento das bases. As falcatruas perdem espaço, pois LFM perderia toda a credibilidade desrespeitando as regras que tanto defendeu.
- Nada será como dantes. É a derrota total dos barões do PSD. Finalmente a renovação ganha espaço.

Anónimo disse...

LOL.... voces pensam que algo vai mudar? O menezes vai se intalar no poder como qq outro e qd ver o preço de uma regionalização, vai ficar quieto.

Pedro Menezes Simoes disse...

O problema do menezes é que perde poder com a regionalização. Quanto aos custos são infinitamente inferiores aos da estrutura burocratica centralista.

Anónimo disse...

"Quanto aos custos são infinitamente inferiores aos da estrutura burocratica centralista."

São, são...

Parlamentos regionais + cabinetes regionais + mini ministerios... não há dinheiro para isso em Portugal.

Antes da regionalização, necessaria, vai ter que se reformular o paradigma dos municipios e freguesias, criando o cocneito de metropole. So depois se pode partir apra a regionalização, senão aidna se cria mais burocracia e taxos para os "boys"...

Pedro Menezes Simoes disse...

"Parlamentos regionais + cabinetes regionais + mini ministerios... não há dinheiro para isso em Portugal."

Vê-se que não sabe do que fala. As regiões apenas terão poder executivo, logo não há parlamentos regionais.

Quanto aos mini-ministérios não tem nada de mais. Primeiro, porque se acabam com os grandes ministérios que deixam de ser necessários. Depois porque já existem algumas estruturas regionais. Só que as estruturas regionais estão replicadas a nível central por não terem autonomia de decisão. E a nível central ainda há todos os burocratas e administrativos necessários para sustenar a circulação de informação num sistema altamente burocratico e centralista. Tudo isso vai para o lixo.

A regionalização nunca cria mais burocracia pois ao contrário do que normalmente se afirma, reduz um nível de decisão. Aquele que decide tarde e a más horas sem saber do que está a decidir. O do topo.

Anónimo disse...

"Vê-se que não sabe do que fala. As regiões apenas terão poder executivo, logo não há parlamentos regionais."

Acho que está errado...

Alexandre disse...

"Acho que está errado..."

Ve-se que o senhor anónimo tem argumentos bastante persuasivos e que validam definitivamente o seu ponto de vista

josé manuel faria disse...

Marcelo confirmou hoje a preocupação da vitória de Menezes:

A regionalização.

Pedro Menezes Simoes disse...

"Possíveis consequências da eleição de Menezes: apoio do PSD à revisão da lei eleitoral para a Assembleia da República e à regionalização."

Vital Moreira, na Causa Nossa

http://causa-nossa.blogspot.com/2007/09/menezes-2.html

Leituras recomendadas