20070927

Adesão ao MMS: Um futuro para o Norteamos e seus leitores ?

Recebi agora mesmo o link para o Movimento Mérito e Sociedade, que se pretende consituir como partido político. Procuram responsáveis regionais. Será esta uma forma de os participantes e leitores do Norteamos passarem à acção ? PF comentar.

10 comentários:

josé manuel faria disse...

O MMS não acrescenta nada. Há muitos partidos.

Anónimo disse...

Este movimento defende a redução de autarquias. Tirando Rui Moreira e Paulo Rangel, ou TAF, poucos defendem o mesmo.

JSilva

António Alves disse...

Ressalvo que li o documento na diagonal e ainda não posso emitir uma opinião fundamentada. Mas pelo que li parece-me um documento ao estilo do Compromisso Portugal. Tem algumas coisas positivas como os circulos uninominais e a redução de autarquias. No entanto, a palavra regionalização não aparece uma única vez e na globalidade é um libélo neo-liberal. É também uma visão lisboeta que emite um conjunto de lugares comuns sobre o país. Daqueles que normalmente aparecem na publicidade de indole turística.

Anónimo disse...

É verdade António. Mas o homem só vai lá se tiver assinaturas e «militantes do resto do pais. O tal de MMS não começará com limitações de vota à PSD, «penso eu de que». Portanto há uma oportunidade.
Jsilva

Anónimo disse...

Meus amigos,

não é necessário um partido... é necessário um movimento, se bem entendem.

Guilhotina disse...

Os movimentos já não existem, só os clubes e as agremiações.

Anónimo disse...

O meu nome é Eduardo Correia e sou o responsável pelo surgimento do MMS. Felizmente vivemos num estado onde ainda podemos ter a opção de mudar. Cabe-nos exercer ou deixar passar. O modelo do PS e do PSD já cumpriu, há muito, a sua função na história de Portugal. Podemos agradecer. Há vários anos para cá que pouco acrescenta e em muito tem contribuido para o actual estado de endividamento e estagnação do país. Decidi passar das palavras à acção. Quantos mais estão dispostos? Cumprimentos

Pedro Menezes Simoes disse...

Caro Eduardo Correia,

Antes de mais, parabéns pela sua coragem e esforço para tentar mudar o país.

Poderá contar com a minha assinatura para se poder constituir como partido. Coisa que faço, fiz, e farei, a todos os movimentos que desejam participar na democracia e respeitam os princípios básicos de um estado de direito democrático, dos valores do humanismo, e da liberdade.

Confesso no entanto, que o seu movimento me parece um pouco "voluntarista" não trazendo nada de novo ao panorama partidário português, para além da vontade de mudar.

Não se define em termos ideológicos (embora seja claramente social democrata com pequenas fugas liberais), o que dificultará certamente a posterior vida interna no seu partido. As medidas são, regra geral, interessantes (excepto aquela de querer origar os jovens de 15 anos a trabalhar 1 mes por ano: isso é decisão deles, não do Estado).

Mas não há fio condutor. Confunde princípios (ex. Estado regulador) com medidas (ex. fomento da utilização de ferramentas web-based...).

Sem principios base coerentes, sem uma visão da sociedade, o seu partido tem apenas um programa eleitoral, nada mais. Que mudando as circunstâncias deixa de ter qualquer valor. Completamente dependente da sua liderança.

Desculpe que lhe diga, mas o seu movimento não me parece minimamente preparado para ser um partido. Aliás, será muito mais eficaz como grupo de lobbying do que como partido.

Talvez eu esteja a ser demasiado duro, e talvez até precipitado. Tudo bem: venha daí a discussão...estou sempre pronto para aprender.

P.S. Onde vai estar, no Porto?

Nota final: o que quer dizer com "modernizar" a constituição? É o principio mais vago que já vi...

Pedro Menezes Simoes disse...

Qual acha que foi a causa do falhanço do modelo do PS/PSD? Como evitar isso num novo partido?

Jorge Silva disse...

A resposta está no pdf, que poderão descarregar no site, entitulado "manifesto".

Descarreguem as entrevistas em mp3 e ouçam atentamente.

Fazendo isto, poderão facilmente assimilar as ideias deste, eu gosto de chamá-lo, movimento.

Leituras recomendadas