20071002

O bando de benfeitores

Tiago, não concordo com a sua análise. Na prática reduz as questões Norte-Lisboa, ou melhor, Portugal-Lisboa, à falta de intrelocutores fora de Lisboa. Essa tese ainda seria válida antes de Rui Rio. Agora já não. Rio, também apaniguado de JPP, nada resolveu nesta materia. Também acho que é caricato branquear a dupla ética que capital de Portugal usa sobre o restante território e ainda por cima culpar este por falta de interlocutores...

De qualquer modo você não depende da política e penso que não ambiciona cargo em Lisboa. Mesmo que entre por «mãos erradas», cedo ou tarde mudará de rumo.

Entretanto fica aqui mais um relato de «benfeitor» nada «ardiloso» nem «ganancioso».

 

Nova Ponte no Tejo

 

Anda toda a gente muito preocupada com a vitória de Menezes no PSD. O "barões" que foram traídos pelo povão , o Marcelo que mais uma vez falhou nos palpites, o arquitecto Saraiva que não acerta uma nas manchetes do seu SOL cada vez menos luminoso e ao que  consta prestes a "pôr-se", a Ferreira Leite a "justificar-se" que foi ela  que safou  a coisa "se não ia tudo parar ao tribunal", o Duarte Lima que não gosta dos tricots " de Marcelo a quem apelidou de costureirinha de bairro", o Santana "à espreita" para lider Parlamentar.

Um frenesim.

Mas que tem isto a ver com a nova Ponte sobre o Rio Tejo?

Nada!

Melhor.

Muito.

Enquanto se discutem barões, filhos e enteados do PSD já está em marcha a construção duma nova Ponte em Lisboa.

É importante. Faz falta. etc. etc. Não se discute. Discutir e muito foi o Metro do Porto. Por falar em Metro. Que é feito daquele túnel para o Metro de Lisboa que mete água e já custou mais que toda a linha do Porto?

O quê?!...

Também não interessa?

Tá bem!...

O Problema é que a nova ponte, que ainda não existe, vai fazer entrar muito dinheiro nos cofres da LUSOPONTE .

Quando foi construída a Ponte Vasco da Gama, por alturas da Expo, o Governo assinou um contrato com este consórcio que entre outras coisas previa o pagamento "duma taxa" por cada carro se viesse a ser construída outra passagem. O Governo era do PSD e o Ministro, de Cavaco, era Ferreira do Amaral. Foi um acordo leonino para a empresa.

Adivinha:

Quem é hoje o Presidente da Lusoponte ?

Nem mais nem menos do que Ferreira do Amaral.

2 comentários:

Victor disse...

é bem feito que estas coisas aconteçam, pois esta região está cheia de oportunistas, sem espinha, incapazes de se oporem naestes desmandos. Basta ver essa "coisa" que dá pelo nome de PS nesta cidade...

Pedro Menezes Simoes disse...

O problema é falta de interlocutores?

Por um lado não há interlocutores regionais. Não é possível haver interlocutores regionais que não sejam democraticamente eleitos. Rui Rio representa o município do Porto. Quanto muito a AMP. Nunca a região. Sem regiões não há representantes regionais.

Restam-nos os representantes locais: os autarcas. Tem toda a qualidade necessária: foram eleitos, logo representam o povo. Se estes não servem como interlocutores, confirma-se o seguinte: o problema não é de qualidade, é de sistema. E o sistema é de poder central e local. Para haver interlocução, é preciso o poder regional.

Tudo o resto, é voluntarismo e neo-centralismo. Portugal não precisa disso.

Leituras recomendadas