20071105

Até amanhã camarada !

Como podemos lêr em diversos links, o PCP denuncia em sede de PIDDAC um desinsvestimento a Norte:

Porém questiono-me: Se todas estas regiões estão a ser prejudicadas, o que faria o PCP se fosse governo ? Como iria resolver o problema das diferenças de investimento central dentro do território continental ? Relembro-me então de várias questões:

  • O PCP tem a maior parte dos eleitores a sul e se fosse governo iria também beneficiá-los;
  • O PCP defende o «centralismo democrático», expressão bizarra curiosamente defendida também por não comunistas.

Mas recordo-me de algo mais importante: Até ao advento da blogosfera era efectivamente o PCP o único que denunciava sistematicamente a má gestão local e central que o Norte era sujeito.

Posso não concordar com as políticas comunistas, mas quase sempre concordo com os diagnósticos. Uma das poucas reflexões que retenho de JPPereira é que a avaliação económica e social marxista é uma boa ferramenta de diagnóstico dos problemas.

Efectivamente esta persistência dos comunistas na avaliação, sem desistir, como por exemplo revela o nome do site Resistir.info, é um exemplo a seguir por todos os que Norteiam, quer sejam de geração antiga ou de aviário. É certo que por vezes é difícil, vacilamos, precisamos de descansar e parar. Até amanhã camarada, diziam eles. Até um dia destes António Alves, digo eu.

23 comentários:

Anónimo disse...

O PIDACC tb tirou verbas a Lisboa e sua rgião...

..foi um desenvestimento em td o país...

Pedro Menezes Simoes disse...

Talvez, mas Lisboa (com 30% da população) vai receber 46% das verbas directamente alocáveis pelo PIDDAC às regiões.

O "desenvestimento" no país já é notório há muito...

josé manuel faria disse...

Caro José Silva,

Quem são os não PCPs que defendem o centralismo democrático.

Anónimo disse...

"Talvez, mas Lisboa (com 30% da população) vai receber 46% das verbas directamente alocáveis pelo PIDDAC às regiões."

mentira... assim como grande parte dos posts deste blog...

Pedro Menezes Simoes disse...

Ó anónimo, vá passear. Se encontra mentiras refute-as. Apresente dados se os tem. É que não há paciência para "criativos" sob a capa do anonimato.

Aqui no Norteamos faz-se o trabalho de casa...como pode ver a seguir.

Piddac 2008:
Lisboa - 476M€ (46%)
Norte - 303M€ (29%)
Centro - 146M€ (14%)
Alentejo - 83M€ (8%)
Algarve - 34M€ (3%)
Total - 1042M€

via http://bracaraeavgvste.blogspot.com/2007/09/piddac-2007.html

Anónimo disse...

Tem-se de ver os projectos de cada região... se já não há projectos no norte, não há dinheiro..

esta questão tem de ser analisada "no global"... n se dá, por dar.

mas tb tem-se de notar que o Porto recebe 64% do PIDDAC "alocado" para o norte... centralismo portista?

Anónimo disse...

e mais, tem piada nesses estudos meterem a Região de Lisboa e vale do Tejo, como Lisboa simplesmente.... sabendo que ela engloba Setubal, Alcochete, Santarem, etc...

mas à região Norte, ja a chama de "Norte" e não de "Porto"... que era o mais correcto, dado que as vebras do PIDDAC na sua maioria vão para o Porto.

Anónimo disse...

JMFaria: Muitos habitantes de lisboa!
JSilva

Anónimo disse...

"JMFaria: Muitos habitantes de lisboa!
JSilva"


Devo relembrar que ono referendo à regionalização o SIM ganhou em Lisboa!! mais que ng, os lisboetas querem regionalizar!

António Alves disse...

A Região de Lisboa e Vale do Tejo já não existe. Em 2002 o Oeste, com excepção de Mafra, foi integrado na Região Centro e a Lezíria do Tejo integrada no Alentejo (consultar o site do INE). A Região de Lisboa integra neste momento apenas a Grande Lisboa e a Península de Setúbal.Esta Região contém apenas 25% da população (2 661 850 hab.). Esta operação consistiu numa batota descarada com dois objectivos: o primeiro) como a ex-Região de Lisboa e Vale do Tejo já não podia ser subsidiada pela União Europeia, retirou-se a periferia desta região para assim ser possível investir dinheiros da UE nestes concelhos limítrofes de Lisboa; a segunda) foi, embora relacionada com o objectivo generalista anterior, algo muito mais específico e cínico: retirar os concelhos de Alenquer e Azambuja da RLVT para aí construir o aeroporto e sacar verbas comunitárias para o financiar. Aliás, uma das principais razões da objecção do governo a Alcochete ou Montijo prende-se mesmo com isso: o facto de como está integrado na Região de Lisboa não poderá receber verbas do fundo de coesão da UE.

PIDDAC 2008

Distrito de Aveiro recebe 63,5 milhões de euros.
Distrito de Braga recebe 62 milhões de euros
Distrito de Beja recebe 92,9 milhões de euros.
Distrito de Bragança recebe 45 milhões de euros.
Distrito de Castelo Branco recebe 62 milhões de euros.
Distrito de Coimbra recebe 140,4 milhões de euros.
Distrito de Évora recebe 71.6 milhões de euros.
Distrito de Faro recebe 95,2 milhões de euros.
Distrito da Guarda recebe 57,8 milhões de euros.
Distrito de Leiria recebe 52,072 milhões de euros.
Distrito de Lisboa recebe 480,1 milhões de euros.
Distrito de Portalegre recebe 45,328 milhões de euros.
Distrito do Porto recebe 282,5 milhões de euros.
Distrito de Santarém recebe 48,428 milhões de euros.
Distrito de Setúbal recebe 93,8 milhões de euros.
Distrito de Viana do Castelo recebe 28 milhões de euros.
Distrito de Vila Real recebe 51,9 milhões de euros.
Distrito de Viseu recebe 54,652 milhões de euros.

Alguns distritos com o investimento dividido per capita:

Lisboa - 215 euros por habitante
Porto - 155 euros por habitante
Setúbal (tem sensivelmente a mesma população que Braga) - 110 euros por habitante
Braga - 72 euros por habitante

Pedro Menezes Simoes disse...

"Tem-se de ver os projectos de cada região... se já não há projectos no norte, não há dinheiro.."

Seguramente não faltam projectos no Norte, alguns deles esseciais. Já aqui falamos, só em ferrovia: linha do Douro, metro de Braga, linha do Minho (tanto litoral como para unir Póvoa até Guimarães).


"mas tb tem-se de notar que o Porto recebe 64% do PIDDAC "alocado" para o norte... centralismo portista?"

Também a isso já respondi noutros tempos. Os projectos estão alocados ao local de implementação e não aos beneficiários. Exemplificando, estão inscritos no Porto a ligação Porto-Nine que custará 40M€ e também benefecia Braga, a ligação até Amarante que custa 30M€ e beneficia também o Douro, e mais outro tanto para o ramal de Leixões que beneficia toda a região.

Mas seguramente os referidos investimentos não beneficiam qualquer distrito fora da região norte.

Não é portanto, verdade que o Porto é beneficiado. Também não é claro que seja prejudicado. Já no caso dos distritos do interior, a drenagem é óbvia.

"e mais, tem piada nesses estudos meterem a Região de Lisboa e vale do Tejo, como Lisboa simplesmente.... sabendo que ela engloba Setubal, Alcochete, Santarem, etc..."

Caro anónimo, essa divisão foi definida pelo governo para assegurar que esses concelhos tradicionalmente da região de lisboa tinham acesso aos fundos europeus para desenvolvimento das regiões pobres. Ou seja, para a região rica ter acesso aos fundos das regiões pobres.

Anónimo disse...

Pois, António, o seu comentário deveria passar a post.

Jsilva

Pedro Menezes Simoes disse...

"Quem são os não PCPs que defendem o centralismo democrático."

Pelo que se viu nas reacções à vitória do Luis Filipe Menezes, grande parte da nossa "elite" política.

Anónimo disse...

"Também a isso já respondi noutros tempos. Os projectos estão alocados ao local de implementação e não aos beneficiários."

Exactamente o mesmo caso para a região de Lisboa. o NAL pode ser considerado para "região de Lisboa", mas o seu raio de actuação vai de Coimbra ao Alentejo....

Portanto, "região de Lisboa" tem mais investimentos, mas tb podem influenciar bem mais gente que a "sua" região...

Anónimo disse...

"Ou seja, para a região rica ter acesso aos fundos das regiões pobres."

esta logica pacovia tb nao vai longe.. o que prefere, o NAL pago em parte pela UE ou totalmente suportado pelo Estado Portugues, ou seja, por todos os portugueses?

António Alves disse...

ó anónimo, o dinheiro que seria desviado para o NAL é aquele que faltará, por exemplo, em Braga, ou Bragança, ou Beja. O bolo não aumenta. O que se modifica é a sua repartição, isto é, é drenado de regiões pobres que não o receberão, para o NAL. Eu cá prefiro ver o dinheiro investido noutros projectos. O suposto valor criado para Portugal pelo NAL (é este o vosso argumento) está longe, muito longe, de ser provado. A resposta á sua pergunta pacóvia é: não se faz o NAL, ou então quem o quiser fazer que o pague a 100%. Ponto.

Você precisa de ler mais. Cultive-se!

Anónimo disse...

Facto: Lisboa precisa de um novo aeroporto!

Bem, se faltam outras coisas noutras partes do país, tenho mt pena... Mas convem lembrar que Lisboa é a região mais rica do país e precisa de continuar a produzir, pq se deixar, o resto do país resente-se... quero ver quem mais PIB mete neste país...

Por isso, NAL é essencial!

agora, vcs querem que seja o estado Portugues a paga-lo? ta certo, e o passivo aumenta.. se for a UE, é um cheque "presente".. outra coisa, é que os fundos da UE são por projectos, já não dão dinheiro, por dar...

António Alves disse...

"Facto: Lisboa precisa de um novo aeroporto!"

Prove-o se for capaz.

"Lisboa é a região mais rica do país e precisa de continuar a produzir, pq se deixar, o resto do país resente-se... quero ver quem mais PIB mete neste país..."

Metam 215 euros por habitante no Norte, ou noutra região qualquer, mais a massa salarial dos 250 mil funcionários públicos do distrito de Lisboa mais a esmagadora maioria da despesa pública dos ministérios (quase 50% da riqueza produzida em Portugal) e veremos "quem mete mais PIB", passe a pobreza da expressão. A produtividade de Lisboa é na realidade a drenagem que é feita pelo Estado do resto do país para essa região. Basta ver a balança de transacções correntes (Export-Import) de Lisboa que é deficitária em 70%. O dinheiro não cai do céu. Ó anónimo compre o calhamaço do Samuelson, leia-o de ponta a ponta, e depois venha discutir connosco. Já agora, compre também uma gramática.

António Alves disse...

projectos não faltam por esse país fora sempre desconsiderados pelo Estado Central que foi confiscado em benefício das oligarquias lisboetas.

Pedro Menezes Simoes disse...

Anónimo:
1. O NAL não está inscrito no PIDDAC
2. Os fundos destinamde coesão destinam-se a desenvolver as regiões pobres e não as ricas. O que se passa é a apropriação da região de Lisboa a algo a que não tem direito.

3. Lisboa não "mete PIB" no país. Quem "mete" PIB são as regiões expostas à concorrência internacional. Norte, Centro e Algarve. Lisboa tem um défice regional da balança comercial de 25% do seu PIB.

4. "agora, vcs querem que seja o estado Portugues a paga-lo? ta certo, e o passivo aumenta.. se for a UE, é um cheque "presente".. outra coisa, é que os fundos da UE são por projectos, já não dão dinheiro, por dar..."

O Sr. não percebe nada do que está a falar. A UE disponibilizou dinheiro ao Estado para gastar em projectos nas regiões pobres. É indiferente qual o projecto. Logo, é indiferente do ponto de vista do financiamento se o dinheiro sai do Orçamento de Estado ou dos Fundos Europeus.

Fazendo um "desenho". É como se o Governo tivesse dinheiro em dois bolsos: o Orçamento de Estado e os Fundos Europeus. É irrelevante do ponto de vista global a qual bolso se vai buscar. O dinheiro já é nosso: é sempre como se fosse o Estado Português a pagá-lo por inteiro.

A única questão é que o bolso "fundos europeus" é só para gastar em regiões pobres.

Agora, seguramente preferia que fossem os privados a pagá-lo do que o Estado Português. O que não seria difícil se não se pretendesse construir uma infraestrutura com excesso de capacidade.

Anónimo disse...

Apartir do momento que neste blog se diz que Lisboa não precisa de um novo aeroporto, não vale a pena continuar a discussão.... revela bem o total falta de conhecimento da realidade da Capital.

Não é por acaso que os lisboetas disseram SIM à regionalização!

Pedro Menezes Simoes disse...

Lisboa precisa de aumentar a capacidade aeroportuária disponível. Isso pode passar ou não por um novo aeroporto.

Mike disse...

PIDDAC 2008

Distrito de Aveiro recebe 63,5 milhões de euros.
Distrito de Braga recebe 62 milhões de euros
Distrito de Beja recebe 92,9 milhões de euros.
Distrito de Bragança recebe 45 milhões de euros.
Distrito de Castelo Branco recebe 62 milhões de euros.
Distrito de Coimbra recebe 140,4 milhões de euros.
Distrito de Évora recebe 71.6 milhões de euros.
Distrito de Faro recebe 95,2 milhões de euros.
Distrito da Guarda recebe 57,8 milhões de euros.
Distrito de Leiria recebe 52,072 milhões de euros.
Distrito de Lisboa recebe 480,1 milhões de euros.
Distrito de Portalegre recebe 45,328 milhões de euros.
Distrito do Porto recebe 282,5 milhões de euros.
Distrito de Santarém recebe 48,428 milhões de euros.
Distrito de Setúbal recebe 93,8 milhões de euros.
Distrito de Viana do Castelo recebe 28 milhões de euros.
Distrito de Vila Real recebe 51,9 milhões de euros.
Distrito de Viseu recebe 54,652 milhões de euros.

Alguns distritos com o investimento dividido per capita:

Lisboa - 215 euros por habitante
Porto - 155 euros por habitante
Setúbal (tem sensivelmente a mesma população que Braga) - 110 euros por habitante
Braga - 72 euros por habitante

^^ Setubal tem mais do triplo do tamanho de Braga ... tem 2 portos de mar e como não teve direito a NENHUM estádio no Euro 2004 acharam por bem ligar os portos por ferrovia e AE ao resto do pais (até braga é assim servida pelo investimento em setubal)

Esta operação consistiu numa batota descarada com dois objectivos: o primeiro) como a ex-Região de Lisboa e Vale do Tejo já não podia ser subsidiada pela União Europeia, retirou-se a periferia desta região para assim ser possível investir dinheiros da UE nestes concelhos limítrofes de Lisboa; a segunda) foi, embora relacionada com o objectivo generalista anterior, algo muito mais específico e cínico: retirar os concelhos de Alenquer e Azambuja da RLVT para aí construir o aeroporto e sacar verbas comunitárias para o financiar. Aliás, uma das principais razões da objecção do governo a Alcochete ou Montijo prende-se mesmo com isso: o facto de como está integrado na Região de Lisboa não poderá receber verbas do fundo de coesão da UE.

^^ O objectivo foi separar a AML da "provincia"... que por estar agarrada a lisboa iria perder os fundos para o que quer que fosse ... o resto são trocados.
VFXira e MAfra por exemplo são zonas RURAIS

"Tem-se de ver os projectos de cada região... se já não há projectos no norte, não há dinheiro.."

Seguramente não faltam projectos no Norte, alguns deles esseciais. Já aqui falamos, só em ferrovia: linha do Douro, metro de Braga, linha do Minho (tanto litoral como para unir Póvoa até Guimarães).


"mas tb tem-se de notar que o Porto recebe 64% do PIDDAC "alocado" para o norte... centralismo portista?"

Também a isso já respondi noutros tempos. Os projectos estão alocados ao local de implementação e não aos beneficiários. Exemplificando, estão inscritos no Porto a ligação Porto-Nine que custará 40M€ e também benefecia Braga, a ligação até Amarante que custa 30M€ e beneficia também o Douro, e mais outro tanto para o ramal de Leixões que beneficia toda a região.

Mas seguramente os referidos investimentos não beneficiam qualquer distrito fora da região norte.

Não é portanto, verdade que o Porto é beneficiado. Também não é claro que seja prejudicado. Já no caso dos distritos do interior, a drenagem é óbvia.

^^ Somos todos beneficiados com o investimento mesmo que seja na casa do lado ... investimentos no AFSC e Leixoes beneficiam Braga directamente por exemplo

Anónimo disse...

Facto: Lisboa precisa de um novo aeroporto!

Bem, se faltam outras coisas noutras partes do país, tenho mt pena... Mas convem lembrar que Lisboa é a região mais rica do país e precisa de continuar a produzir, pq se deixar, o resto do país resente-se... quero ver quem mais PIB mete neste país...

Por isso, NAL é essencial!

agora, vcs querem que seja o estado Portugues a paga-lo? ta certo, e o passivo aumenta.. se for a UE, é um cheque "presente".. outra coisa, é que os fundos da UE são por projectos, já não dão dinheiro, por dar...

^^ Não é necessário coisissima nenhuma ... 2 ou 3 aeroportos low-cost espalhados pelo pais (tipo o de Beja que vai ficar em rota de colisão com o NAL) serviam muito melhor
AFSC , Ovar , Viseu , Covilha , Bragança , Fatima , Leiria , montes e sitios aonde podiam ter implementado um 2º aeroporto como fizeram em Beja ... vai ser giro daqui a 10 anos termos o NAL ás moscas e depois a ryan.air meter/tirar 5/10 milhões de passageiros do AFSC/Beja/Badajoz todos os anos ...

Metam 215 euros por habitante no Norte, ou noutra região qualquer, mais a massa salarial dos 250 mil funcionários públicos do distrito de Lisboa mais a esmagadora maioria da despesa pública dos ministérios (quase 50% da riqueza produzida em Portugal) e veremos "quem mete mais PIB", passe a pobreza da expressão. A produtividade de Lisboa é na realidade a drenagem que é feita pelo Estado do resto do país para essa região. Basta ver a balança de transacções correntes (Export-Import) de Lisboa que é deficitária em 70%. O dinheiro não cai do céu. Ó anónimo compre o calhamaço do Samuelson, leia-o de ponta a ponta, e depois venha discutir connosco. Já agora, compre também uma gramática

^^ e de quem foi a CULPA dos FDP do estado terem ido parar em lisboa ???

Guimarães > Coimbra > Lisboa > Rio > Lisboa ... fizeram as burradas agora aguentem-se á bronca.

Não se pdoe esperar grande coisa de um pais "construido" por "gente do norte"

Leituras recomendadas