20080128

Pelo menos em solidariedade ninguém nos bate...



"Como pode observar-se no quadro 3.2, em 2005, a distribuição secundária do rendimento, em grande medida associada às transferências sociais provenientes das administrações públicas, beneficiou em termos relativos as famílias das regiões do Alentejo e do Centro. Com efeito, essas famílias viram o Rendimento Disponível por habitante superar o rendimento gerado pela sua participação no processo produtivo e pelos saldos dos rendimentos de propriedade. Nas regiões de Lisboa, do Algarve e Autónomas dos Açores e da Madeira o RD ficou abaixo do RP, e a região Norte manteve praticamente um RD por habitante idêntico ao RP por habitante (8 118€ face a 8 134€)."






(a primeira coluna refere-se a Portugal e a segunda ao Norte)

Conseguimos ser solidários com os outros (é pouco mas é de boa vontade :->), mesmo que os outros estejam melhor que nós. Isto apesar de sermos uma das regiões mais pobres da Europa, estarmos em crise económica profunda, mas ainda assim responsáveis por 1/3 do PIB e 34% do emprego. E não se julgue que é de hoje. Apesar da recessão somos na prática contribuintes líquidos desde sempre.





Goste-se ou não, há uma pergunta que se impõe: que estamos nós a fazer neste "país"?

3 comentários:

Pedro Menezes Simoes disse...

Duas coisas a reter:
1- Mesmo sendo a região mais pobre, somos sistematicamente contribuintes líquidos
2- Anualmente contribuimos com cerca 1%-2% do PIB regional.

Ventanias disse...

O problema é que as nossas elites não se pronunciam, antes pactuam, a não ser quando se trata de criar imbróglios sobre a eventual localização futura de uma estação central para o TGV, ou para decidir substituir um comboio suburbano que faz sentido, linha da Póvoa, por uma linha de metro que não faz sentido nenhum...

Com elites destas, o Norte não se pode defender!

fernator5 disse...

"Goste-se ou não, há uma pergunta que se impõe: que estamos nós a fazer neste "país"?"

Ai esta algo que eu ja pergunto à muito tempo.
Somos uma colónia para este país.
Não andamos cá a fazer nada, antes pelo contrario, andamos a destruir-nos em todos os aspectos, economico, cultural (nem sabemos que somos galaicos, engolimos a propaganda de que somos todos lusos, os fados la do sul, etc) e muitos outros aspectos.

Nunca gostei deste país. Apenas gostei e me identifico com o Norte.
Eu nao tinha duvidas para votar num referendo separatista.

Leituras recomendadas