20080104

Como Armando Vara financiou o assalto ao BCP


Joe Berardo e aliados compraram acções do BCP com crédito da Caixa

Esta é a notícia que clarifica toda esta operação de compra dum banco privado por um público. Depois disto ninguém terá o desplante de negar as evidências: existe mesmo uma operação previamente programada por gente ligada ao PS para tomar conta do BCP utilizando os recursos do Estado. Em Portugal poderá até ser legal, mas é completamente amoral.

Seria também interessante conhecer onde o especulador Berardo foi financiar-se para comprar acções da PT que já vendeu com chorudos lucros. Um dia ficaremos a saber todo o papel desempenhado por este homem de mão de Sócrates no mundo financeiro. A que papeis já se prestou em troca da garagem para os seus quadros?

7 comentários:

Pedro Menezes Simoes disse...

"A que papeis já se prestou em troca da garagem para os seus quadros?"

De certeza a muitos papéis que lhe lucraram mais do que o centro cultural berardo...

Berardo não subiu na vida à toa. Sabe bem o valor de ter boas connections. Foi assim que fez fortuna. As boas relações com um ministro na áfrica do sul valeram-lhe concessões de ouro e diamantes...

Jose Silva disse...

António,

É necessário ter em conta que o problema é Armando Vara boy PS que actua como mafioso do centralismo e não Armando Vara como natural de TMAD.

Outra questão: Mesmo que a CGD tenha que tomar o BCP para evitar a falência deste, no processo abunda muito oportunismo das «máfias» do centralismo. É este o problema e não a intervenção do Estado para evitar a falência do BCP, que seria um mal maior.

Este episódio e outros servem ilustrar pedagogicamente o funcionamento das «máfias».

Laoconte disse...

A melhor solução talvez seria a de privatização da Caixa, deixando-nos, pobres contribuintes, fora dessas jogadas pouco legais e perniciosas para a nossa carteira.

António Alves disse...

Caro José,

Eu estou-me a marimbar para o local onde as pessoas nascem. O facto de Vara ser transmontano ou lisboeta tanto me faz. É um agente das oligarquias políticas que têm mantido este país a saque.

Se o BCP tiver que falir por incompetência e má gestão dos seus administradores não há nada que o estado deva fazer contra isso. Todos os dias centenas de empresas abrem falência e ninguém se incomoda. O espaço deixado vago pelo BCP rapidamente seria ocupado pelos seus concorrentes mais bem geridos.

Este episódio serve para ilustrar pedagogicamente o funcionamento das máfias e do falso capitalismo que nos pregam muitos dos que se reúnem em jantaradas com o nome de "Compromisso Portugal". Para este tipo de gente, liberalismo reduz-se a despedimentos fáceis e baratos. Produtividade do capital e o assumir de riscos sem a saia protectora dos amigos no aparelho do estado está totalmente fora de qualquer conjectura. É o chamado capitalismo (quando há lucro) privado e socialismo (quando há prejuízos) público.

António Alves disse...

ahh... e ainda acerca do local de nascimento das pessoas: cada vez mais isso será irrelevante. Dentro de pouco tempo, com o arraial de encerramentos patrocinado por este desgoverno, nascerão todas apenas no Porto ou em Lisboa. Isto no futuro mais imediato porque daqui a 10 anos nascerão apenas em Lisboa. Mesmo estes reduzir-se-ão aos mais ricos que possam pagar uma clínica privada e aos miseráveis que sem a mínima hipótese de escolha terão que se sujeitar ao caos e à péssima qualidade dos serviços do estado que entretanto foram totalmente descapitalizados e desmantelados. Os outros, os que ainda possam pagar uma viagem de algumas centenas de quilómetros e um ou dois dias de internamento irão a Vigo ou a Badajoz.

Este cenário fará com certeza as delícias de todos os galaicos: com todos os do Entre Douro e Minho a nascerem em Vigo a causa terá mais facilidade em arregimentar adeptos. Quem sabe se não será esse o futuro :->

P.S. Todos nós caminhamos para velhos e temos razões para nos preocuparmos. Com a ânsia fiscal deste governo ainda passaremos a pagar imposto, logo que atinjamos os 65 anos, pelo simples facto de estarmos vivos.

Jose Silva disse...

António,

Vara TMAD: Há que referir a especial aptência do MSM de Lisboa diabolizar os do Norte, como aconteceu também com Gomes. O participante JAM já referiu que se devia ao facto de Vara ser transmontano que haveria este alarido. A minha chamada de atenção é efectivamente para o participamte JAM.

Sabem quem é dono dos 3 maiores grupos de saude privada em Portugal ? BES, Melllos e CGD. O fecho dos SAPs são precisamente para dar mercado a estes grupos. A lógica do Yeltsinismo está ai: Estado central, através das máfias de Lisboa, privatiza serviços públicos precisamente em sectores onde o risco de negócio é nulo: «Capitalismo hipoandrogénico». Voltarei a este tema oportunamente.

Zé de Braga disse...

Tudo isto perante a inércia do Governador do Banco de Portugal.
Este não é o Vitor Constâncio do tempo de outros governos.
Porque será?

Leituras recomendadas