20071211

Redundâncias


Legenda:

Traçado a vermelho - Linha Vermelha do Metro.
Traçado a verde escuro - Linha Verde do Metro.
Traçado a amarelo - Linha Amarela do Metro.
Traçado a amarelo pontilhado - Prolongamento projectado da Linha Amarela do Metro em direcção à Maia.
Traçado a branco - Linha Senhora da Hora - São Mamede - HSJ (em túnel) sugerida pela FEUP.
Traçado a verde claro - Linha de Leixões.


Segundo o JN de hoje, a FEUP apresentará amanhã o estudo com as sugestões para a segunda fase da rede de metro. Essas sugestões confirmam uma linha que há tempos atrás já tinha sido avançada por responsáveis do Partido Socialista. É uma linha em túnel da Senhora da Hora ao Hospital de S. João via São Mamede Infesta (o traçado branco na imagem). A mim essa linha parece-me redundante, um desperdício de recursos e uma duplicação desnecessária de infraestruturas. Devia-se antes estar a pensar na reintrodução do serviço de passageiros na Linha de Leixões (traçado verde claro) que, como podem observar na imagem, se cruza várias vezes com a rede de metro. Esta linha, que liga de modo contínuo a Estação de S. Bento a Matosinhos, reabilitada para o serviço de passageiros e a funcionar em intermodalidade com o Metro, tornaria desnecessária a construção da nova linha sugerida. Em vez de se gastar vários milhões numa nova linha em túnel seria mais racional reaproveitar o que já existe.

Pelo que se também lê no citado jornal, o estudo insiste na Linha da Boavista, embora aqui abra espaço para o canal Campo Alegre. A persistir a solução Boavista, em conjunto com a nova Linha Sª da Hora - HSJ, parece-me um estudo com sugestões salomónicas: uma Linha para os autarcas do PS (Sª da Hora - HSJ) , outra para o doutor Rui Rio (Linha da Boavista). Ficamos todos satisfeitos!

A proposta da linha circular interna é excelente e deverá ser forçosamente para levar para a frente. Adivinham-se muitas batalhas até isso ser conseguido.

António Alves

8 comentários:

Pedro Menezes Simoes disse...

António Alves, parabéns pelo comentário "em tempo real". Isso é que é estar em cima do acontecimento...

Só não consegui perceber por onde vai passar a circular interna. Embora o conceito me pareça bom, fiquei na mesma... e confesso que tendo em conta o número de linhas no centro da rede (i.e., só existem 2 linhas nas cidades do Porto, Gaia e Matosinhos), e a sua prevista ligação pela senhora da hora ao S. João, o que resta ligar? Só se for uma circular externa a ligar as diversas linhas... Preciso de esclarecimentos

Aplaudo ainda a linha pela arrábida. A zona da arrábida está a ficar sobre-povoada e já justifica uma ligação, que até deve ficar relativamente barata (embora deva implicar reduzir uma via de circulação na ponte)...

Jose Silva disse...

ANtónio,
http://www.jornaldenegocios.pt/default.asp?Session=&CpContentId=307462

Plano de investimentos de 1,5 mil milhões de Euros ?!?! Estes tipos drogam-se com a mesma droga dos OTistas ?

Parece-me que os nossos autarcas tem uma Portela+1, que se chama ramal de Leixões...

Enfim, nada de novo no Porto.

Pedro Menezes Simoes disse...

Caros, é preciso arregaçar as mangas e voltar à luta contra o despesismo, defendendo intransigentemente as apenas as soluções com mérito económico e de ordenamento do território, rejeitando as megalomanias.

Não precisamos de 1.500M€. Precisamos de metade do dinheiro e o dobro do bom senso.

António Alves disse...

Caro pedro,

Sobre a linha circular: veja o JN de ontem ou o Público de hoje (local Porto)

António Alves disse...

A circular externa já existe: é a Linha de leixões!

Pedro Menezes Simoes disse...

Já vi a circular interna. Faz todo o sentido. Tal como a circular externa via leixões.

O estudo da FEUP está bastante bom, e vai de encontro ao que sempre aqui dissemos: Póvoa e Trofa são para sub-urbanos. O metro aí é um disparate.

O estudo falha ao ignorar a existência da linha de leixões. Além disso, a necessidade da linha da Boavista carece de demonstração. Fico a aguardar a disponibilização do estudo para analisar essa questão.

É possível que o ramal de leixões tenha sido posto de parte para permitir a sua utilização pela alta velocidade Porto-Vigo?

António Alves disse...

Caro Pedro,

Na minha opinião o estudo da FEUP tem dois fretes políticos: a Linha Senhora da Hora - HSJ e a Linha da Boavista.

O comboio de velocidade elevada na Linha de leixões não invalida a sua exploração para comboios urbanos. Afinal o LVE Porto-Galiza será em bitola ibérica e uma linha equipada com cantonamento automático com bloco orientável e comando centralizado de tráfego suporta facilmente 20 movimentos por hora em cada sentido sem qualquer problema de segurança nem congestionamentos. É tudo uma questão de boa gestão de tráfego. Falarei sobre a Linha de leixões como canal para o Comboio de Velocidade Elevada num próximo trabalho que estou a preparar.

Pedro Menezes Simoes disse...

ok. Estou convencidissimo!

Leituras recomendadas