20071214

Debate sobre a linha e barragem do Tua

A propósito da afirmação do deputado Mota Andrade, do Partido Socialista por Bragança na Assembleia da República, “Os radicalistas do ambiente só conhecem a palavra restringir, muitas vezes sem conhecerem a realidade no terreno”, Daniel Conde comenta:

«Acho verdadeiramente impressionantes estas declarações de quem pelos brigantinos foi eleito para os representar na Assembleia da República. É tamanha a banalidade e debilidade de visão e de respeito pelo distrito que nos devemos perguntar se queremos que esta seja uma voz dos brigantinos no Poder Central. Começando por chamar de radicalistas e fundamentalistas bacocos aos ambientalistas é verdadeiramente de um trato urbano indicado para uma figura na sua posição; entre isso e o " mierda" proferido num discurso pelo Hugo Chávez, há semelhanças notáveis. Este deputado que tanto defende a barragem talvez desconheça que o distrito que representa já é o distrito que mais contribui em termos de produção de energia hidroeléctrica para o país: conhece Miranda, Picote, Bemposta, Pocinho, Valeira? E conhece porventura o que lucrou o distrito com essas barragens? Mais estradas e mais turismo, como apregoam os defensores da Barragem do Tua? É absolutamente incrível que venha a público dizer que o comboio foi bom há 100 anos, mas que hoje nada disso importa. Conhece este deputado as políticas da União Europeia no que aos caminhos-de-ferro dizem respeito, nomeadamente quando o considera o transporte do futuro? A incongruência de apontar a dependência de Portugal energeticamente afirmando depois que o futuro passa pelas estradas é notório: o comboio é o único meio de transporte que pode usar combustível nacional e não poluente: a electricidade. Não senhor deputado, o comboio não teve o seu tempo; o tempo do comboio é agora, mais que nunca. Nem os argumentos que aponta para o seu fim são válidos; que o diga a Linha do Douro, que por metade do preço de 1Km da nova CRIL, que terá por km um preço de 25 milhões de euros, serão reabertos 28Km de via-férrea, reatando a ligação ferroviária com a Espanha, erradamente suspensa desde 1985.»

3 comentários:

Dario Silva disse...

Pois é, os transmontanos continuam a ser roubados!
Mete mais pena quando é pelos da casa.
Olha... faz como diz o outro... vira-te p'ra Espanha!

Apanhas o comboio na Sanabria e em duas horas estás em Madrid, em seis horas em Barcelona...

Dario Silva.

Salem disse...

Dario Silva

Sinceramente admiro muito o seu trabalho, mas olhe que essas 2h até Madrid são um pouco puxadas..Pelo menos no site da renfe diz que são mais de 4h

Guilherme disse...

A meu ver, seria uma opção reactivar a linha do Tua até Bragança criando um serviço Intercidades Bragança-Porto, semelhante ao já exitente mais a sul Guarda-Coimbra. Mesmo que inicialmente esse troço não fosse financeiramente viável, não esqueçamos que o governo tem obrigação social em promover uma política de desenvolvimento no interior.

Leituras recomendadas