20070816

Centralizar e desenvolver

por Nuno Grande, Médico e professor universitário

"O desenvolvimento de um povo tem implícito o direito de acesso às conquistas do conhecimento que dignifiquem a condição humana dos cidadãos.

Assim, não há desenvolvimento num sistema político e administrativo centralizado que agrava as desigualdades regionais para favorecer o crescimento financeiro de algumas instituições privadas e públicas que influenciam os órgãos de decisão governamental.

De facto, os grupos económicos, principalmente financeiros, afirmam-se contra a regionalização pois pretendem estar próximo dos órgãos de decisão política e governativa que procuram condicionar e influenciar."

JN

Quanto mais destes artigos na comunicação social melhor. No entanto acho que este tipo de artigos precisa de dados e exemplos concretos, sobretudo para alertar aqueles muito distanciados do país real.

21 comentários:

Rotor disse...

Meu amigo, eu, enquanto votante, fazer-vos a vontade em relação à Regionalização, não faço, votarei sempre NÃO !

Mas como, de facto, não gosto do Norte nem
dessa gente, votarei sempre SIM a uma secessão Norte-Sul, como aliás um de vocês já veio aqui propôr, certamente a pensar que causaria uma grande aflição aqui por baixo.

Rotor - Lisboa

sguna disse...

Caro rotor, porquê Norte-Sul? O governo de Lisboa tem afundado todo o país. Fique lá com Lisboa mas deixe o resto do "pessoal" pôr esta m**** a andar para frente.

Rotor disse...

Sguna

andar para a frente, vocês ?

Vocês só não parasitam o resto do país se não puderem.

E olhe, veja quantos inúteis aí dessa zona têm feito parte dos "governos de Lisboa", fora os que andam a mamar na Assembleia da República.

Não há dinheiro que pague os lisboetas só para gramarem essa cambada que vem daí para aqui após cada eleição legislativa.


Rotor - Lisboa

António Alves disse...

esta espécie de leonor pinhão ressabiada dos comentários é um provocador. sabem porque ele anda sempre a dizer que é contra a regionalização? porque sabe que no dia em que o estado central for reduzido e deixar de contar ele terá que passar a comer as pedras da calçada. é o estado que o sustenta; no dia em que ele faltar é a miséria.
não percam tempo com ele.

Sérgio Veludo disse...

Ler o Rotor, tanto aqui como no Público proporciona verdadeiros momentos literários - "Não gosto do Norte nem dessa gente" - quem o ouvir deve ser alguém de estatuto social elevado, tipo linha de Cascais, embora escrevendo como um carroceiro, tipo Alfama. Chama aos do Norte inúteis. De facto os proxenetas chamam isso às suas meninas. Lisboa tem sido, desde 1851, a proxeneta de todo o país e com Salazar este aprimorou a obra.
Mas a culpa é nossa, os do Norte, porque demos a entender que Lisboa é muito importante e todos se vergam perante ela. A melhor arma é o desprezo e não entrar nos jogos arruaceiros . A melhor arma é desenvolver o Norte para que um dia se possa dizer Basta. A melhor arma é ignorá-los e retirar-lhes importância. De cada vez que se insulta um Lisboeta damos-lhe pretextos para nos chamar arruaceiros e ordinários e inúteis.
Mas o que é Lisboa? Uma cidade como qualquer outra, sómente isso...

Sérgio Veludo disse...

Para quem tenha dúvidas sobre o que os Lisboetas pensam do Norte é ler o Sr. Rotor. Ele representa o que foi a macrocefalização de Portugal desde a Regeneração de 1851. O Porto é que foi cercado duas vezes em 1832 e 1846 para depois Lisboa colher os louros da monarquia constitucional. O Porto foi tubo de ensaio para o 31 de Janeiro e só vinte anos depois é que Lisboa teve coragem de fazer o golpe de 5 de Outubro. Mas depois foi o Porto que defendeu a República em 1919. Eu sou do Porto e já nem sequer fico ofendido quando o Sr. Rotor perde as estribeiras, apercebendo-se que o Norte de 2007, já não é o Norte de 24 de Abril de 1974, submisso e vassalo. De facto começa a parecer que Portugal é um casamento falhado, o que é pena. Mas quando os rotores se multiplicarem, passando à violência sobre pessoas do Norte, passando a uma segregação que até vê nos táxis à porta de Stª Apolónia, como é que vai ser, Sr. Rotor. Também agride e insulta pessoas do Porto e do Norte sem ser por escrito?
Mas dou-lhe razão numa coisa, Sintra merecia maior investimento.

Alexandre Silva

Rotor disse...

Sergio Veludo

não estou com pachorra para lhe responder mas, por aquilo que tenho visto nestes ultimos tempos, não só concordo que isto é um casamento falhado como, por mim, separava-me JÁ !

Rotor - Lisboa

Rotor disse...

Mas olhe, nunca precisei de vocês para nada. Para mim o país acaba em Coimbra, para cima é merda.

Estou é farto e saturado de andar
a sustentar-vos mais à vossa arrogância e parolice com os meus impostos.

Fiquem-se com o vosso bucho enfatuado e, por mim, podem morrer à fome, juntarem-se à Galiza, fazerem o que quiserem.

Vão bardamerda !

Rotor - Lisboa

António Alves disse...

e ainda dizem que é no Norte que existem alienados da bola. à beira deste mentecapto qualquer atrasadito parece um Einstein. cáspite!!

Sérgio Veludo disse...

Caros Sguna e António Alves, como puderam constatar, basta dar corda a alguns tipos de pessoas, neste caso da terceira ou quarta cidade da Península Ibérica e elas mostram o nível que as caracteriza. E depois não são coerentes - dantes eramos arruaceiros, agora somos enfatuados. Decidam-se, ou somos parolos ou somos enfatuados...
Também ando farto de pagar impostos para obras faraónicas para adorno e brilho da cidade de Lisboa. Devia chegar para todos mas o Sr. Rotor deveria querer o Portugal do tempo de Salazar. Toda a gente pagava impostos para sustentar as "Exposições coloniais", as autoestradas que acabavam em Vila Franca de Xira, o aeroporto da Portela, etc, enquato que o resto do país andava de burro por caminhos de cabras,não tinha electricidade, não tinha luz, não tinha hospitais que lhe merecessem o nome. É isto, Sr. Rotor, que deixa transparecer no seu discurso - submissão e vassalagem senão passamos ao insulto.
Gosto de o ver escrever e recomenda-se a divulgação dos seus escritos.

Cordialmente
Sérgio veludo

Rotor disse...

E agora todos pagamos impostos para os "senhores" terem uma Casa da Musica, edificio só de fachada porque a maior parte de vocês o que ouve é pimbalhada, que custou 10 vezes mais, que encheu os bolsos a muitos, enquanto há zonas do país com Centros de Saúde miseráveis, em vãos de escada, e eu conheço alguns aqui bem perto.

Só para vos satisfazer a vossa por demais conhecida parolice, o páis pagou com os olhos da cara uma obra faraónica, com e kms e kms de linhas de eléctrico, que custaram para aí 20 vezes mais do que o previsto e, mais uma vez, encheram os bolsos a uns quantos bimbos, ditos "empresários" (e alguns deles parecem que fazem parte aí das elites), e sabe porquê ? Porque os parolos queriam ter um Metro, porque Lisboa tinha. Agora têm linhas de eléctricos, que custaram uma fortuna, e dizem como saloios e provincianos que são, que têm um Metro.

Uma coisa é certa submissão e vassalagem da minha parte a vocês nem pensem.

E podem mostrar o que eu escrevo e penso acerca de vocês,a quem quiserem, que é para o lado que eu durmo melhor.

Não preciso de vocês para nada, nunca precisei.

Arrogantes enfatuados, parolos, e com muito vígaro à mistura é o que vocês são.

Rotor - Lisboa

Sérgio Veludo disse...

Caro Rotor
O senhor engana-se numa coisa. Nós não queremos a vossa submissão e vassalagem, vocês queriam a nossa e não a têem, nem nunca terão.
Diga-me uma coisa, com toda a sinceridade - toda a gente é honesta em Lisboa? Todas as grandes obras em Lisboa não tiveram deslizes financeiros? Toda a gente em Lisboa é culta e de élite? Olhe que já ouvi música pimba em altos berros na rua que desce para o Arquivo Histórico Militar...

E porque bate na tecla de que não precisa do Norte para nada? Se calhar nasceu no Porto, ali para os lados da Ribeira, no meio das tascas que vendem iscas de bacalhau.
Caro Rotor, anda para aí um recalcamento qualquer.
É verdade, parece você é uma vedeta no Público Online!

Cordialmente
Sérgio Veludo

António Alves disse...

relatório de segurança interna 2006

Distrito de Lisboa:

População: 2 136 002
Crimes participados: 104 220 casos
Crimes por mil habitantes: 48,8
Criminalidade grave: 11 162 casos
Crimes graves por mil hab.: 5,2

Distrito do Porto:

População: 1 781 826
Crimes participados: 62 627 casos
Crimes por mil habitantes: 35,1
Criminalidade grave: 3 639 casos
Crimes graves por mil hab.: 2,0

Ilação simplória à moda do rotor: os habitantes de Lisboa são bastante mais criminosos que os do Porto. :->

Rotor disse...

António Alves

Essa sua contabilidade peca (muito!) por defeito no que diz respoeito à sua região.

Como você sabe e toda a gente sabe há por aí muita bandidagem, muito mafioso e muito jagunço sobre os quais as autoridades daí se recusam a actuar, por compadrio ou por cobardia.

Quando falo de "autoridades" falo do Ministério Público do porto, da Judiciária do porto, da PSP do porto e dos juízes do porto.

Quando falo de bandidagem, mafiosos e jagunços refiro-me ao Clube dos Porcos, ao Porco seu presidente, aos jagunços seus adeptos e à mafia que rodeia esta pandilha toda, desde há pelo menos 20 anos.

Aliás quando eu digo, num post anterior que não acredito no casamento que é este país, é porque isto não é um país, é um conjunto de quintas, cada uma com a sua "lei", em que numas ela é mais ou menos visível e noutras, como essa, nem pouco mais ou menos. Vai tudo dos capatazes dos amigos dos capatazes e tudo isto tem muito pouco a ver com lei.

Portanto, actualize a sua contabilidade e vai ver que os números são capazes de se virar ao contrário, porque estamos a falar de muita gente.

NOTA : Sabe-me dizer, por exemplo, o que aconteceu ao diligente "inspector" da judiciária do porto que avisou o Porco de que ia ser detido para interrogatório ? Ou o que é do Guarda Abel, um igualmente diligente membro da psp do porto, que nas horas vagas fazia de jagunço ao serviço da máfia, para intimidar quem aí ia em competição ?



Rotor - Lisboa

António Alves disse...

LOL!! O Homem cai que nem um pato. É pouco inteligente. Nada de espantar: é ressabiado da bola e benfiquista.

Boa páscoa :->

Rotor disse...

És um ciganozeco !

Mete o blogue na peida !

Rotor _ Lisboa

António Alves disse...

REALIDADE EM NÚMEROS

- 178 183 mil inquéritos foram movimentos no início de 2007, no distrito judicial de Lisboa. Destes, apenas 104 foram concluídos.

- 95 314 novos processos foram iniciados nos serviços do Ministério Público. A pendência no distrito é de 73 mil inquéritos.

- 104 275 inquéritos foram concluídos: 15 por cento de acusações e 77 por cento de arquivamentos.

- 400 é o número de procuradores no distrito judicial de Lisboa. A responsável máxima é Francisca Van Dunen, que tomou posse a 16 de Fevereiro.

- 42 são as comarcas do distrito judicial de Lisboa, agrupadas em 12 círculos judiciais.

P.S. o rotor acabou também, mesmo agora (comentário anterior), por nos mostrar a sua face racista :->

Pedro Menezes Simoes disse...

"E agora todos pagamos impostos para os "senhores" terem uma Casa da Musica"

Caro rotor, faça o favor de não nos atirar à cara a obra faraónica promovida pelo seu amado Estado Central.

"Quando falo de "autoridades" falo do Ministério Público do porto, da Judiciária do porto, da PSP do porto e dos juízes do porto."
Saldanha Sanches também tem falado disto, mas a unica coisa concreta sobre o assunto é um relatório da PJ em que ele e a mulher recebem dinheiro do PS e do benfica... o que quer que se passe no Porto é uma brincadeira de crianças comparada com isto.

Quanto à questão dos casamentos, fico então à espera do seu apoio para que o Estado Central devolva aos cidadãos aquilo que anda a gastar nas obras faraónicas.

Quanto à melhor forma de libertar a raiva, recomendo-lhe a participação num grupo de bombos. Blogar é pouco eficiente para o efeito.

Cumprimentos.

Rotor disse...

Por aquilo que você acaba de dizer só lhe digo isto, e é a minha ultima intervenção aqui : vocês realmente não têm honra, não têm vergonha, não têm dignidade, nem sequer sabem cozinhar um dossier em condições e em português bem escrito, que, ao menos, pareça credível.

Querem, com a vossa porcaria, atingir pessoas que estão muitos, mas muitos, degraus acima do vosso nível, querem parecer sérios, mas sabem o que são ?

São uns mafiosozecos bimbalhões, de trazer por casa, uma espécie de chicos-espertos, que se comprazem em fazer gato-sapato, por via de jogadas sujas, de outros que têm muito mais vergonha na cara que vocês.

É o que vocês são.

Fiquem com as taças e com os campeonatos...

Rotor - Lisboa

António Alves disse...

fica lá com a tua estupidez...

Sérgio Veludo disse...

Gostava mesmo de conhecer este Rotor, porque é um caso de patologia clínica. A forma como esbanja e gasta as palavras honra, dignidade, etc, é de antologia. Este senhor deve ser um dos frequentava uma certa loja neonazi da Rua Nova do Almada que vendia bastões e soqueiras às claques do Benfica.
Já só faltava este senhor dizer que é ariano e os do Norte são judeus, o que para mim não teria problema nenhum.
A dignidade começa nas palavras, caro Rotor, e na educação.

Leituras recomendadas