20070801

O triunvirato cleptocrata

Esta notícia é um exemplo paradigmático da trilogia de interesses que nos rouba o futuro: o financiamento partidário e das respectivas elites dirigentes, os empreiteiros de obras públicas, os bancos financiadores de investimentos sem risco garantidos pelo estado.

Vão ser gastos, do nosso dinheiro, no total, 144 milhões de euros, 29 milhões de contos antigos, para ganhar 10 minutos de percurso na linha ferroviária entre Lisboa e Faro. Lisboa e Faro estão ligadas entre si por 12 ligações directas, 6 em cada sentido - isto é: em média, 0,5 comboios por hora.

Entre o Porto e a Régua, existem 26 ligações diárias, 13 em cada sentido, em média 1,08 comboios por hora; em algumas os passageiros são obrigados a uma ruptura de carga (transbordo em Caíde para os urbanos da CP Porto); e, apesar disso, há clientes para mais, houvesse oferta por parte da CP. O Estado central não tem previsto, tão cedo, qualquer investimento para esta linha que a partir de Caíde é em via única, não electrificada e regulada por cantonamento telefónico, uma tecnologia do século XIX.

Entretanto, recentemente, foi promovido através de uma inédita campanha publicitária um intercidades, que se mantém em funcionamento, entre Lisboa e Évora. Este comboio transporta uma média de 23 passageiros e os seus proveitos são tão fracos que até o serviço de bar já foi suspenso. Há dois anos a CP suprimiu o intercidades Porto-Régua com o argumento de não ser rentável. Transportava mais, muito mais, do que os singulares 23 passageiros do IC alentejano.

3 comentários:

Anónimo disse...

incrivel

viva a submissa colonia do norte

Salem disse...

que nojo...a cp e a refer são o espelho do pais que temos

carlos pinto disse...

com uma febre tão pronunciada de privatizar, faz confusão que aqui se não faça tal. Afinal da Refer para a CP e vice-versa, vamos assistindo a uma dança que até permite férias e subsídios antes de ali se trabalhar!!

Leituras recomendadas