20080420

LFM tira Regionalismo do armário

Não sou Menezista nem tenho qualquer benefício pessoal na vitória de LFM ou seu endossado. Conjunturalmente acho que é o melhor para o Norte. E também não tenho ilusões. LFM defendeu a OTA e andou estes últimos 6 meses a ver se era aceite na corte. E felizmente não foi aceite.

A entrevista à SicNotícias tem muito significado. LFM gravou, num meio de comunicação social com alguma audiência, comentários sem filtros contra as «máfias» do Centralismo. Isto é significativo. Ou ele desistiu mesmo e portanto dá-se ao luxo de ser frontal e perder votos em Lisboa, algo em que não acredito, ou vai mesmo mudar de estratégia. Mesmo desistindo pessoalmente, endossará as «suas» bases a um candidato de sua confiança. Assim, em ambos os cenários, percebe-se que este golpe de teatro (convocação de eleições) visa marcar uma ruptura. A ruptura é passar a assumir a existência do conflito, pelo menos dentro do PSD, entre elites-bases, Estado-Nação, Lisboa-resto de Portugal. É assumir o Regionalismo como ideologia a aplicar em Portugal. No nosso caso será um Regionalismo de todas as regiões contra Lisboa/Estado (e não lisboetas cidadãos comuns, entenda-se). Isto é verdadeiramente revolucionário e faltava fazê-lo há muito tempo. A forma não auto-censurada, explicita que LFM usou para qualificar os seus adversários dentro do partido e as «máfias» que efectivamente controlam Portugal, significa o fim de um tabu fundamental: Em nome da unidade nacional, nunca se referia abertamente a discrepância entre decisões tomadas pelo Estado Central e o interesse dos cidadãos que o sustentam. Nunca se assumia uma luta efectivamente existente entre todas as regiões contra Lisboa. Como eu solicitei aqui, a estratégia de LFM será agora atacar as elites/oligarquias de Lisboa e defender o resto de Portugal. O descontentamento latente deste, maioritário, vai ser agora explicito e LFM ou o seu endossado, subirá nas sondagens. Apostam ? Mais importante do que a tão falada clarificação ideologica partidária, Esquerda, Direita, Liberalismo (o bom e o Neo-liberal), Social-Democracia, o Regionalismo saiu do armário e assumiu-se na passada 6ª feira.

PS1: Na página 4 do Expresso de ontem vem lá explicada a conspiração que estava a ser montada para depôr LFM. Os conspiradores eram os centralistas habituais, entre eles, JPAB, Rio, MRS, António Borges e JPP. Acabaram por ser surpreendidos por LFM, que andou anos neste tipo de guerrinhas dentro do partido, e também pela lógica da Blogosfera. É que hoje há muita «inteligência» em rede capaz de processar as entre-linhas e canalizar os resultados para a tomada de decisão...

PS2: Frases aparentemente soltas e sem significado:

  • Roma paga aos «traidores» que para ela trabalham;
  • No tempo das colónias, os bons governadores eram premiados com altos cargos na metropole;
  • Rio preferido por Cavaco para a liderança do PSD (1ª páginas Expresso);

Agora se percebe porque é que as reclamações de Rio contra o Centralismo era sempre muito pouco sonoras...

2 comentários:

Arrebenta disse...

Sobre o que está a acontecer no "As Vicentinas de Braganza", agradecia que nos visitassem, e se pronunciassem, caso vos interesse o nosso novo dilema/problema

http://asvicentinasdebraganza.blogspot.com/2008/04/nota-constitucional.html#links

Pedro Menezes Simoes disse...

Só tenho pena que tenha sido no SIC Notícias e não num canal generalista. Ao "povo" a mensagem vai chegar filtrada. Basta ver o resumo que a sic-online fez: o "centralismo" foi completamente posto de lado.

Leituras recomendadas