20080403

portofobia

O jornal gratuito Global Notícias publicou hoje na secção Cartas dos Leitores este texto dum tal A. R. Pereira.


Educação no Norte
■■■ “Quero deixar a minha
opinião sobre o caso
do taxista alcoolizado que
atropelou quatro crianças
no Porto e de seguida pôs-se
em fuga. Eu faria o
mesmo! Já é sabido que
no Norte levanta-se a mão
e abre-se a goela com a
mesma facilidade com
que se respira e, num local
como aquele, no Porto,
o condutor teria sido
insultado e a sua viatura
agredida pelos populares.
Fariam, talvez até pior se
ele ali assumisse o erro e
ficasse.Estes actos disparatados
a que o Norte já
nos vem habituando mancham
o nome do nosso
Portugal.Eu sugeria investirem
em cursos de ‘como
viver em sociedade’. Temos
que saber ouvir e calar
de vez em quando, porém,
nem as notícias que
recebemos das escolas do
Norte são incentivo para
se leccionar lá.”

A.R. PEREIRA

Em resposta escrevi eu próprio o texto que se segue. Espero que tenham a hombridade de o publicar com o mesmo destaque.

O leitor A. R. Pereira na edição de ontem, num discurso claramente preconceituoso e regional xenófobo, veio dizer-nos que, se tivesse acontecido com ele, teria o mesmo comportamento cobarde e criminoso do taxista alcoolizado que no Porto atropelou um grupo de crianças e fugiu. Segundo este leitor, a sua atitude justificar-se-ia pela suposta tradicional e generalizada tendência dos nortenhos em “levantar a mão e abrir a goela”; tendência, que ele considera uma vergonha nacional. Recomenda-nos a ainda o leitor A. R. Pereira que tiremos cursos de como ‘viver em sociedade’, embora ele julgue que as nossas escolas, pelas notícias que lhe chegam, não sejam próprias para isso.

Caro senhor Pereira, por muito que a realidade mediática pretenda fazer parecer o contrário, os dados oficiais dizem-nos que a criminalidade grave e violenta é muito mais elevada na região de Lisboa, que é lá que estão as escolas mais violentas, que é lá que os revisores dos comboios suburbanos têm que andar acompanhados por polícias, coisa que no Porto não ocorre existindo mesmos várias raparigas a desempenhar essa profissão, algo impossível na região de Lisboa. É também no Cacém que muitos moradores dizem nas páginas dos jornais que só saem à rua armados.

Estas manifestações de portofobia, que resvalam frequentemente para o insulto gratuito, derivadas de muito ressentimento futebolístico, são cada vez mais frequentes, alimentadas por muita comunicação social, e só envergonham quem as profere. A propósito: vergonha nacional é a continuada exploração sexual dos jovens carentes da Casa Pia (a ex-provedora Catalina Pestana garante-o) e o julgamento interminável deste caso que corre nos tribunais sem fim à vista onde já se percepciona que vai acabar num absolvimento geral com a excepção dos tradicionais dois ou três bodes expiatórios de importância menor. Vergonha também é termos uma capital cuja edilidade se revelou a mais corrupta, a mais esbanjadora e a mais desorganizada das autarquias. Isto apesar do sistema mediático nos ter andado a vender anos a fio a tese da corrupção das autarquias do Norte. Enfim, este país é dirigido há séculos por oligarquias sediadas no Sul. O resultado não se recomenda. Será uma questão de educação?

António Alves

12 comentários:

Jose Silva disse...

temos que começar a boicotar comunicação social que diga mal do Norte. Há anos isso resultou com a SIC, quando do episódio do Fernando Couto e outro que foram às meninas louras.... O Porto inteiro boicotou e eles passaram a ficar mais amenos...

Salem disse...

a culpa é do jornal que deixa que qualquer um escreva o que lhe apetece, ainda por cima certezas que não existem: "já se sabe que no Norte....." Mas já se sabe o que???É ele que sabe??Viu isso nalgum artigo??Ou foi ele e ou os seus amigos lisbonários que decidiram isso no café?
E o jornal, claro, publica, é bonito...


Já não é a primeira vez que esse jornal tem artigos provincianos...

Ventanias disse...

Subscrevo integralmente a resposta do António Alves. Sem tirar, nem por.

triporto... disse...

Já li este esgoto de comentário há algumas horas aqui e decidi não escrever logo a minha opinião pois certamente soltaria facimente as minhas "goelas" e o resultado não ia ser bonito nem este blogue de referência o iria merecer...

Gostaria de salientar esta frase onde se denota certamente que no momento em que este infeliz escreveu tal prosa não estaria certamente no seu perfeito juízo:

"num local
como aquele, no Porto,
o condutor teria sido
insultado e a sua viatura
agredida pelos populares."

Estarei atento no futuro a agressões perpretadas contra esses seres vivos que são os automóveis e denunciarei junto das autoridades competentes qualquer acto menos próprio...

Quanto à indignação que demonstram façam como eu vou fazer e mandem um mail aos responsáveis do jornal a dizer de nossa justiça, não contra este verme mas sim contra a politica adoptada por este jornal...

Pedro Menezes Simoes disse...

Não é a primeiro acto de xenofobia do "provinciano" noticias. Lembram-se do "e se coelhos stressados vivessem em Lisboa", a propósito dos F16 que arrancaram telhados de casas no interior do país? E esse artigo foi assinado pelo director editorial do "24horas"...

Fiquei só com uma questão: o A.R.Pereira é de Lisboa?
O texto do A.R.Pereira é tão ridículo que fala por si. Aliás, ele próprio afirma que faria o mesmo que o taxista. Não sei se vale a pena a resposta... Ainda assim, subscrevo-a inteiramente.

Caro José Silva: o Porto inteiro era insultado no tempo da Floribella (a quem apelidavam carinhosamente de "estúpida tripeirinha" todos os episódios), em que tão bem ensinavam as crianças do país sobre a melhor forma de insultar os portuenses. O programa continuou a ser dos mais vistos no Porto. Com filho meu isso não aconteceria.

fernator5 disse...

lol tem piada o liboeta dizer isso.
Nao sabe ele de metade da missa.

Esqueceu-se dos incidentes que ocorrem todos os dias na linha de Sintra pelos "jovens".
Esqueceu-se ele dos muitos bairros onde nem podemos entrar em Lisboa com medo de termos tratamento ainda pior do que o que os portuenses poderiam fazer ao taxista.
Está bem que é essencialmente por causa de imigrantes que residem em lisboa, mas já são Lisboetas portanto o senhor que olhe para dentro de Lisboa antes de falar que os Portuenses se comportam mal.

Suevo disse...

A mim não me importa a opinião desse individuo.

Afinal de contas, basta-vos lerem o JN de hoje para encontrarem o seguinte:

O Norte é das regiões mais pobres da Europa, a taxa de desemprego no distrito de Braga ronda os 14%, quase o dobro da média nacional; o desemprego de longa duração atinge 50,1% dos desempregados; os salários são os mais baixos do país; e a emigração tem aumentado nos últimos anos.

Vamos boicotar o JN por publicar isto?
Não faz qualquer sentido, quem diz a verdade não merece castigo. E ate podiam falar também em abandono escolar, na colonização afro-asiatica-zuca que estamos a sofrer e por aí adiante, que tudo isso seria verdade.

A vida dos vassalos é dura.

Ainda no JN de hoje, fica uma sugestão de leitura para os desnorteados:

http://jn.sapo.pt/2008/04/04/opiniao/a_nova_fronteira_galiza.html

Notem que não subscrevo o que aí está escrito.

Kagahn disse...

SECURITY CENTER: Look Please Here

Jose Silva disse...

Há que perceber a diferença !
Uma coisa é relatar justamente o que está errado, como muitas fezes o faço relativamente ao Metro, por exemplo. Outra coisa é criticar desonestamente como o artigo em questão. Há que saber distinguir.

Salem disse...

hoje o texto do António Alves não vinha públicado..

António Alves disse...

caro suevo,

uma coisa é a verdade, que o JN muito bem publica, outra são opiniões insultuosas baseadas em preconceitos e ressabiamentos.

vou esperar por segunda feira e voltar à carga. se fôr necessário escrevo ao Oliveira.

Salem disse...

Já está publicado, embora muitas partes tenham sido censuradas.

Leituras recomendadas