20080313

Leituras 20080313

Sogrape (Gaia) compra empresa do Chile;

Sucessão familiar no único banco verdadeiramente sedeado a Norte;

AVEP recebeu propostas para estudos da linha Porto-Vigo. É desta que os vamos ter estudos online ?

Aveiro fora do TGV: Rui Rodrigues já o tinha previsto há 3 anos;

Cientistas de Aveiro na capa da Advanced Materials;

Continuando em materiais avançados, uma ideia para universidades e empresas a Norte ligadas à floresta: Tranformando madeira em ferro.

Galp investe milhões. Mas está previsto o fecho da cancerígena fábrica de benzenos em Matosinhos ?

Constestação maiata às portagens no IC24/A41 e IC1/A28. Na minha opinião a abordagem deveria ser outra: Obrigar a via do Infante, na 2ª região mais rica do pais, a ter também portagens;

O problema não é de Lisboa.

10 comentários:

Salem disse...

Eu apesar de vianense concordo com as portagens uma vez que entre Fafe e Vila Pouca de Aguiar também se paga e não é pouco..Mas a seguir os critérios, a via do infante tem, realmente, de ter portagem. A N125 só está entupida no verão, já a N13 tem uma história de eixo estratégico e vai voltar a ficar congestionada com as portagens na A28

Jose Silva disse...

Eu também concordo, apesar de ser prejudicado.

triporto... disse...

Eu não concordo!

No dia em que esta região deixar de ser uma das mais pobres da União Europeia, no dia em que os salários forem dignos e permitirem um nível de vida decente à maioria dos nortenhos, aí sim, poderão pôr portagens onde bem lhes apetecer...

Jose Silva disse...

CAro triporto,

O problema é que se está a gastar muito dinheiro em impostos para pagar as SCUT . Está-se tabém a permitir que a rodovia fique mais competitiva do que a ferrovia/marítimo de mercadorias e assim a contribuir para o deficit comercial (via importação de petroleo) e descrscimento do PIB (via aumento das importações). Encarecer as rodovias é uma medida acertada, na minha opinião. Agora, o critério deverá ser igual para todos. O Algarve, como 2ª região mais rica, também tem que pagar.

Salem disse...

Não há qualquer criterio nas auto-estradas portuguesas:
-é esta questão do Algarve que já falamos.
-as novas AE do interior são scuts, mas a A7,e a futura A4 são alvos de portagem. O mesmo acontece com a A6 e a A2 (de Setúbál para baixo) que atravessam o Alentejo, bem como a A13 que atravessa o Ribatejo. Mas ok estas duas últimas são eixos estruturantes, mas a A23 (t novas - Guarda) e A25 (Aveiro - V Formoso) também o são.
- E ainda há a A3 na parte alto minhota, onde a unica alternativa é subir a serra numa estrada c pcos metros de largura..

Salem disse...

Outra coisa
ainda ninguém explicou muito bem como iam funcionar essas portagens. Ao que parece não vão ser portagens convencionais, mas vão obrigar a que todos os automóveis tenham via verde??

triporto... disse...

Caro José Silva,

Compreendo os seus argumentos, mas cada vez mais começo a estar farto de esperar pela justiça ou imparcialidade deste governo relativamente à nossa região seja a que nível for, e tendo em conta que a carga fiscal não irá diminuir para o nortenho mesmo com a inclusão de portagens e as respectivas receitas, eu sinceramente vou continuar a dar uma de egoista e reclamar apenas beneficios para os nortenhos, algo que terá que concordar comigo estas novas portagens não irão trazer.

Caro Salem,

Está previsto em Dezembro de 2008 o famoso ministro "Jamé" vestir-se de Pai Natal e percorer todos os Centros Comerciais oferecendo Vias Verdes aos nortenhos...

Desculpe a brincadeira mas nestas alturas só me apetece mesmo ironizar com isto tudo...

Jose Silva disse...

triporto,

Francamento desconheço se existe injustiça com o Norte neste aspecto. A única informação que tenho é que o Algarve é estatisticamente mais rico que o Norte e não vai ter portagens na via do infante. O Salem já disse tudo: Não ha coerência. Alem do mais a utilização dos impostos para beneficiar região A ou B é assunto com alguma especifidade e sujeito a ideologia. Portanto, neste tema, não me choca a ideia do governo, atendendo às condicionantes «peal oil»/importações de petroleo caro e desde que o AlLgarve seja incluído.

Como já referi várias vezes o Norteamos é um blogue plural onde há várias perspectivas para a defesa do Norte.

Pedro Menezes Simoes disse...

Para alimentar a discussão:

- faz sentido cobrar portagens em autoestradas que foram construídas em cima das estradas que deveriam constituir as alternativas (não estão os cidadãos dessa região já a pagar, através dos seus impostos, as estradas de todo o resto do país)? Parece-me que não.

- faz sentido cobrar portagens numa região, quando na região mais rica essa portagem não é cobrada? Parece-me que não.

- faz sentido cobrar portagens numa região altamente exportadora, reduzindo assim a competitividade das suas mercadorias? Parece-me que não.

- Podemos considerar como positivo que o Estado não tenha coerência de políticas, levando os cidadãos a tomar decisões pessoais de longo prazo que passado pouco tempo se revelam desadequadas? Parece-me que não.

- Uma política de reabilitação urbana é compatível com uma política de subsidiação do transporte individual? Sem dúvidas que não. É o portajamento das autoestradas a medida correcta para favorecer a reabilitação? Não. A medida correcta é o portajamento da entrada nas cidades.

Pedro Menezes Simoes disse...

Salem,

Não é preciso via verde. Basta um bom sistema de leitura óptica das matrículas, associada ao registo de propriedade dos veículos.

Leituras recomendadas