20090218

PPP caras aos contribuintes, alimentam negócios de empresas de Lisboa

Jornal de Negócios Online
Eduardo Catroga assinalou que as “parcerias público-privadas irão custar caro aos contribuintes”.

“Já ascendem a pelo menos 12% do PIB em 2008” e “o Estado, em vez de estar a investir no tecido produtivo, está a incentivar os grandes grupos a investirem em parcerias, como as concessões rodoviárias e hospitais”

Para Catroga, “o problema é que o Estado está a assumir cada vez mais os riscos comerciais dessas parcerias, fazendo com que esses riscos fiquem nas mãos dos contribuintes para o futuro”.

O antigo ministro deu um exemplo: “Temos um sector público dos transportes que tem uma dívida anual que é 1% do PIB continuamos a projectar obras como a linha do TGV Lisboa-Porto, que só faz sentido quando a actual ligação estiver saturada”.


2 comentários:

vitorsilva disse...

"...continuamos a projectar obras como a linha do TGV Lisboa-Porto, que só faz sentido quando a actual ligação estiver saturada”."

eu pensei que a ligação porto-lisboa já estivesse mais que saturada... tenho ideia que esse não é o argumento principal

como acho que já disse algures se puserem os "velhinhos" pendulares a rolar sempre perto da velocidade máxima parece-me que não precisamos do tgv para nada.

CCz disse...

O pendular entre Coimbra e Pombal circula mais tempo abaixo de 90 km/h do que acima..
O pendular entre Santarém e Azambuja circula mais tempo entre os 60 e os 90 km/h do que acima.

Leituras recomendadas