20090220

Colonização 2.0

Publico de seguida um texto imprescindível de António Maria (http://o-antonio-maria.blogspot.com/)
A pandilha de Macau está a dirigir-se ao país como o Ali Babá e os 40 ladrões.  O vale do Tua tem 30 km de Zona Demarcada do Douro que ficará debaixo de água se a barragem for consumada.
Estive a conversar com um engenheiro construtor de barragens e especialista em energia, que por razões da óbvia necessidade de protecção da fonte, num país dirigido por piratas que usam e abusam do ministério público, dos serviços de informação da república e das polícias para prosseguirem os seus fins corruptos, não divulgo. A conversa girou em volta deste artigo. Passo a resumir os argumentos mais importantes:
      1) Há um verdadeiro assalto aos rios portugueses (sobretudo aos afluentes ainda intactos dos grandes rios Douro, Tejo e Guadiana) programado pela EDP e pela Iberdrola —a irmã espanhola da EDP dirigida no nosso país por um traidor chamado Pina Moura—, com os préstimos do Pepe rápido de Freeport, colocado onde está pela tríade de Macau.
      2) Os ventos, imprescindíveis à energia eólica, são variáveis e oscilantes, e essa variabilidade não está coordenada com o consumo da energia eléctrica.
À noite há vento, mas não há consumo eléctrico ou são comparativamente baixos e pouco rentáveis na perspectiva das empresas que nos vendem a energia, pelo que Portugal importa energia vendida pelas centrais nucleares francesas ao preço da uva mijona.
E de dia, quando se dão os picos de consumo (que a EDP vende a preços exorbitantes), o vento sopra onde quer e quando quer, pelo que centenas ou mesmo milhares de ventoinhas eólicas estão frequentemente paradas, como qualquer um de nós já teve oportunidade constatar.
Ora é precisamente nos picos de consumo que a EDP e a Iberdrola mais precisam de energia gerada no nosso país. É durante estes picos que estas empresas puxam ao máximo pelos preços, contribuindo, também por esta via, para a reconhecida falta de produtividade da economia portuguesa!
Ao coalharem o país de ventoinhas (em vez de terem planeado a coisa de modo progressivo e sustentável), para suprirem a capacidade de geração da centrais hidroeléctricas, precisamente durante o dia e sobretudo nas horas de ponta, esqueceram-se de avaliar correctamente a variabilidade e oscilação dos ventos, pelo que, depois de terem investido milhares de milhões de euros nas ditas ventoinhas (oriundos nomeadamente dos mercados financeiros especulativos), descobriram que o débito das mesmas é criticamente imprevisível e não chega para as encomendas! Ou seja, a peneira desenhada para colher as pepitas douradas dos picos de consumo energético, não consegue cumprir os objectivos anunciados — nomeadamente aos accionistas e especuladores que investiram nos cartéis energéticos de todo o mundo, nomeadamente em Portugal.
Daqui a necessidade de um plano urgente de novas barragens, com grupos reversíveis — i.e que permitem forçar a água que move as turbinas regressar de novo às albufeiras —, situadas nos afluentes dos grandes rios portugueses, e cujo principal objectivo é suprir a grande e escandalosa falha do programa eólico nacional.
As novas barragens têm como principal objectivo produzir a energia prometida pelas ventoinhas que infestam o país, por vezes em zonas onde nunca deveriam ter sido colocadas. Ou seja, em vez de se correr com o incompetente e arrogante Mexia da EDP, temos que ouvir este capataz do Bloco Central dizer que quer corrigir os erros crassos de que é responsável à custa de toda a espécie de ilegalidades e sobretudo da destruição de patrimónios e recursos insubstituíveis! Em nome de quê devemos aturar esta criatura indecente e medíocre?
Para construir a barragem do Tua privam-se as populações do direito constitucional de conservar uma ligação ferroviária à rede nacional (a Linha do Tua) - sem restabelecimento possível, no caso de a inundação do vale do rio Tua se consumar. Para construir as barragens do Tua, Sabor, Fridão, etc..., ameaçam-se populações (se for construída a barragen do Fridão, e um dia houver um azar, e o paredão da barragem ruir, a cidade de Amarante ficará submersa!), destroem-se habitats insubstituíveis, eliminam-se paisagens únicas, e depois, o emprego temporariamente criado evapora-se, e ficam apenas barreiras físicas e corporativas ao desenvolvimento local.
Ninguém pesca, perde-se o direito à água que sempre fora público, ninguém navega — em suma, deixa-se que empresas privadas sem controlo e prepotentes realizem uma autêntica conquista económica e física de uma parte crucial do território nacional.
Douro e Trás-os-Montes, ao contrário do que se julga, não são pobres.
Pobre é a maioria da gente que lá vive! Mas daquele vale do ouro (daquele rio Douro) vem boa parte da riqueza nacional. Sob a forma do vinho e azeite que todos conhecemos e apreciamos, mas ainda mais como boa parte da água e da energia eléctrica que alimentam as grandes cidades-região de Lisboa e Porto! Ou seja, rios que correm em Portugal, sobretudo o rio Douro e seus afluentes, são hoje muito mais valiosos que o ouro que já não temos! Como foi possível deixarmos avançar as abutres da globalização neo-liberal por tamanha riqueza dentro?
É preciso renacionalizar a EDP quanto antes!
E é preciso restringir claramente os direitos das empresas privadas envolvidas na exploração dos recursos hídricos e energéticos nacionais. EDP, Iberdrola, Endesa, etc. não podem continuar a comportar-se como assassinos ecológicos e salteadores impunes da água e das energias renováveis dos países por onde andam. Há que reverter o processo pulha que conduziu à privatização destas outrora empresas públicas dos dois países ibéricos. -- OAM 

2 comentários:

Salem disse...

grande texto

Mario disse...

em

http://pensar-carrazeda.blogspot.com/2009/02/daqui-e-dali-ruicmartins.html

Daqui e dali... RuiCMartins


A Negociação “Secreta”


No Centro de Apoio Rural de Carrazeda realizou-se quinta-feira (12/02/2009) uma reunião/debate entre o Presidente da Câmara Municipal de Carrazeda de Ansiães, Eugénio Castro, representantes da EDP e os populares (19) que, por mero acaso tiveram conhecimento deste debate e resolveram aparecer.


Estranhou-se o facto de haver imensas pessoas deste concelho que estariam seguramente presentes, caso esta acção tivesse sido divulgada.


A EDP vinha apresentar o Estudo de Impacto Ambiental (EIA) à população de Carrazeda de Ansiães.
O assunto em discussão é da máxima importância para o nosso concelho e suas populações.


Pena que tenha havido o cuidado de não divulgar a reunião, não fossem surgir questões menos cómodas aos actores em cena.


Cedo se percebeu que afinal as questões eram para ser respondidas pelo senhor Presidente da Câmara e que havia perguntas e dúvidas que não se podiam colocar para não prejudicar as negociações "secretas" havidas pelos "iluminados" autarcas, pois tudo o resto são considerados ignorantes. Tanto assim que quando alguma questão menos cómoda foi colocada, logo o interveniente era mandado calar, como foi o caso de um Presidente de Junta, ou então havia que mostrar um ar agastado e, indelicada e arrogantemente, dizer que se estavam a prejudicar as tais negociações "secretas".


Que contrapartidas estão os autarcas a negociar com o Governo e a EDP que sejam do interesse e que afectem positivamente as populações dos concelhos afectados pela construção da barragem de Foz Tua?


Tendo a EDP já pago ao Governo a quantia de 60.000.000,00 € por ter ganho o concurso para a construção, que contrapartidas estão as autarquias a negociar com o Governo destas quantias já pagas pela construção que tanto vai afectar as populações locais?


Qual a posição da Câmara Municipal de Carrazeda de Ansiães perante as declarações da Secretária de Estado dos Transportes, Ana Paula Vitorino, que disse que "se for considerado imprescindível o encerramento do troço em causa [por causa da construção da nova barragem da EDP], deverão ser garantidas, pela concessionária, condições para a criação de uma variante ferroviária". ?


As decisões tomadas secretamente por "iluminados" que arrogantemente tomam decisões unilaterais que têm impacto em toda a população, levaram o nosso concelho ao estado de ruptura em que se encontra.


Esta será talvez a última oportunidade que o concelho de Carrazeda de Ansiães tem de exigir e reivindicar um desenvolvimento integrado e sustentável em troca da destruição dos nossos vale e linha únicos na Europa.


Queremos contrapartidas concretas que se reflictam directamente em cada um dos carrazedenses e que não passem apenas por um despejar de dinheiro nas autarquias que não chegam sequer para pagar as dívidas existentes.


Queremos museus que não caiam, obras que cheguem ao fim a custos controlados, infra-estruturas que funcionem, estudos prévios, planificação consciente do que se deve fazer, discussão pública e transparente de todo o processo.
Estudo! Planificação! Transparência!


Queremos que nos respeitem!


RuiCMartins
Por RuiCMartins às 11:35:00 AM
Rubrica: Daqui e dali..., RuiCMartins
13 opiniões:
Anónimo disse...
E não é pedir demais. Apenas tudo a que temos direito e que temos visto a nos ser negado consecutivamente. Apoiado

16 de Fevereiro de 2009 13:56
Anónimo disse...
Parabéns Senhor Doutor Rui Martins por ter tido a coragem de desmascarar o sr presidente da câmara.
Boa,gostei.Era isso que todos d
deviam fazer.
FP

16 de Fevereiro de 2009 16:52
Anónimo disse...
Agora, após ler Dr. Rui Martins, posso concluir que tudo quanto tenho dito sobre o ditador de Carrazeda, não é ficção, é uma fixação necessária até ao último segundo do seu mandato!

16 de Fevereiro de 2009 17:27
Secundino.Lopes disse...
Penso que o actual executivo já nada tem a ganhar nem a perder. Dai esta atitude de esconder o futuro. Assim esta região só fica a perder. Bem aproveitado "politicamente" este projecto poderia canalisar verbas e outros projectos importantes para a região. Mais uma vez perdemos porque anda cada um a trabalhar para si !

16 de Fevereiro de 2009 18:39
Anónimo disse...
Dr. RCM, permita-me deixar-lhe aqui um caloroso aplauso por esta tão lúcida, justa e pertinente tomada de posição pública. É assim, com a coragem e a determinação dos mais capazes, que se pode "levantar" um concelho demasiado castigado por um cinzentismo generalizado (e este exemplo é flagrante) de muitos anos. Parabéns.
Cumprimentos.
h. r.

16 de Fevereiro de 2009 19:31
Anónimo disse...
Até que enfim, aparece alguém a por os pontos nos is!
Já era mais do que sabido que o Presidente de Camara jamais se importou com o fututo do concelho e da população, é mais do que evidente.
Só espero que isto sirva para alguns (e muitos)abrirem os olhos, que teem tido fechados ou não querem abrir.

M.Fernandes

17 de Fevereiro de 2009 1:28
Anónimo disse...
Dr. Rui Martins, aplaudo a sua sábia intervenção e continue a pugnar pelo seu concelho e pela manutenção das coisas belas que Deus, através da Natureza, lhe deu.

18 de Fevereiro de 2009 14:57
Anónimo disse...
o problema do sr. presidente foi nunca se querer rodear de espíritos superiores, como o do prof. h.r.
rafaela plácido

18 de Fevereiro de 2009 22:40
Mario disse...
Caro Rui......

(Drs são aqueles que não têm nome ou orgulho nele o que tenho a certeza que não é o seu caso)


A juventude que representa tem, a partir deste momento, a responsabilidade de decidir o futuro deste concelho e desta região cortando definitivamente o cordão umbilical com forças retrógradas e mesquinhas. FORÇA

Não se preocupe com clubes nem partidos.. preocupe-se com as pessoas e com aquilo que será melhor para elas.. AVANCE com todos os que têm , com coragem , sabido dizer NÂO e sabido dizer COMO.. AVANCE COM A JUVENTUDE (Escolha não os que têm a mania que são BONS mas os que são capazes de querer e de fazer aquilo que as pessoas esperam que se faça .... os VELHOS os saberão apoiar com a EXPeriencia..


um abraço

mario


ps . Não aceito que não aceite este comentário

Ps2. O Concelho de Carrazeda tem muitos Jóvens com valor independentemente dos partidos..

OBJECTIVO Nº1 O Melhor para Carrazeda com TODOS

18 de Fevereiro de 2009 23:50
Anónimo disse...
Qual o melhor caminho? O de Rafaela Plácido que aponta o superior dos superiores, com toda a carga que isso comporta? Ou o de Mário que o exclui?
JOVEM À PROCURA DE SOLUÇÕES

19 de Fevereiro de 2009 11:55
Mario disse...
Caro

JOVEM À PROCURA DE SOLUÇÕES


Eu sugiro que os Jovens avancem pois o seu futuro está em risco

Agora o ideal seria:

O Melhor para Carrazeda com TODOS


Ou seja associar a Juventude com a experiencia mas com o mesmo objectivo

A Juventude seria o motor .. puxaria mas com força..e a experiencia seria a conselheira

E a experiencia trabalharia sem pelouros e sem ser remunerada.. porque a Juventude se preocuparia com ela

Os Jovéns concordam?
e
A Experiencia ?

cumprimentos

mario

20 de Fevereiro de 2009 11:59
Anónimo disse...
Caro Rui Martins:
A serenidade no acolhimento da notícia que te foi dada pelo Presidente da Junta, tem a mesma proporção da revolta sentida com a injustiça praticada pelo presidente do Município ao desejar estar sozinho na reunião com a EDP!
Compreendo isso, mas estamos a promover a entrega do concelho à oposição política e aos medíocres que vão continuar a servir-se do PSD para continuar o compadrio, a incompetência, a passividade!
Promover-se uma frente independente para propor-se tomar conta do nosso concelho, é um imperativo urgentíssimo!
E há tanta gente que se convidada resolveriam o problema...
É uma pena esta continuidade!
Um abraço.
Luís

20 de Fevereiro de 2009 14:57
Anónimo disse...
ESTUDO, PLANIFICAÇÃO, TRANSPARÊNCIA!

Eu diria:
* Estudo (caso de polícia, ou seja sindicância urgente),
* Conhecimento transparentye ao concelho e ao País;
* Liquidação de dívidas ao mesmo tempo que se planificará o futuro,
* Transparência na acção, sempre!

20 de Fevereiro de 2009 15:03

Leituras recomendadas