20090401

Não, não é piada do dia 1 de Abril: Documento oficial de 2006 afirma que é em Lisboa que deve ser concentrado o desenvolvimento

PNOT 2006 - «O reconhecimento de que a Area Metropolitana Lisboa é o principal espaço de internacionalização competitivo de Portugal. pemite ter expectativas que será na Região de Lisboa que deveráo ser concentradas as principais acções e medidas que reforcem esse papel a nivel europeu e mundial. Sem descurar a preocupaçáo com o desenvolvimenlo harmonioso das restantes regióes do pais que complementaráo essa competitividade e náo entraráo em competição/anulação desse designio, ou desenvolverão outras apeténcias, como o caso do Turismo no Algarve» (Via Regionalização).

PS: Procurei no Google estas frases, mas não encontrei. Peço ao António Felizes que disponibilize o original do documento no seu blogue, assim que possível.

13 comentários:

sguna disse...

Este documento, a ser autêntico, não chega a ser inconstitucional?

CAA disse...

Numa conf. sobre regionalização no Porto, há alguns meses, João Cravinho referiu esse documento. Inquiri-o sobre isso e ele disse que já estava disponível.
Pois está. E a ser aplicado...

Mario disse...

e para o Norte sao promessas e depois dizem que não foi bem assim

" Comboios: Futuro da Linha do Tua depende da construção da barragem - Secretária de Estado

"Nunca vi a REFER dizer que não sabia que existia um projecto de construção da barragem. Vi sim algumas notícias que diziam que a REFER dizia que não o conhecia", referiu.

citações de Ana Paula Vitorino em
http://aeiou.expresso.pt/comboios-futuro-da-linha-do-tua-depende-da-construcao-da-barragem---secretaria-de-estado=f506433



As promessa de Ana Paula Vitorino

e o desabafo revoltado de José Silvano e não só

http://pensar-carrazeda.blogspot.com/2009/04/autarca-de-mirandela-reage-decisao-da.html

o folhetim da Linha do Tua

abraço a todos no Norteamos

mario

Ps Uma das maneiras de julgar as atitudes dos políticos é nas eleições

Como os devemos julgar?

O Norteamos podia coordenar o poder da Blogosfera e propor ou receber e divulgar propostas de actuação... É importante que os políticos da gamela pensem que o tacho não está garantido.

sguna disse...

À falta de alternativas credíveis - que até ver não existem - eu proponho : boicote às eleições; boicote ao pagamento de impostos!

Mario disse...

e esta hem !!!

será por ser dia 1 Abril

em

http://sindefer.pt/nanoticia.asp?NoticiaID=4958


Parece mentira

O Presidente da Refer, apresentou, hoje 1 de Abril, um pedido formal de desculpas aos Presidentes da CP e da EMEF, pelo mau estado da rede ferroviária nacional sobretudo na via estreita.

Tal pedido é extensivo a alguns actos menos reflectidos da Refer que acusavam o material circulante da CP de hábitos pequeno burgueses, ao recusar-se adaptar a vias tão espartanas, descarrilando frequentemente, não tanto em função do mau estado da via mas sim por não se querer adaptar, demonstrando algum egoísmo e falta de espírito de colaboração com os sexagenários carris.

Agora vai tudo para obras, nos próximos meses e anos, e o material aproveita para descansar das sensações fortes que viveu, sobretudo na Linha do Tua!

Os nossos parabéns ao Presidente da Refer pelo seu acto de humildade democrática.

PMS disse...

Por outras palavras: Investiremos tudo o que pudermos em Lisboa. Nas outras regiões de Portugal, (cuja única característica distintiva que nos ocorre é não serem Lisboa e como tal designamos por "restantes"), que apenas consideramos ter utilidade enquando fonte de recursos para a competitividade de Lisboa, apenas investiremos para parecer que nos preocupamos, mas apenas nos casos em que isso sirva para aumentar a competitividade de Lisboa. Em caso algum será para permitir que essas regiões se tornem internacionalmente competitivas. Se se quiserem desenvolver, só se for como destino de férias de lisboetas.

E depois é a regionalização que pode por em causa a unidade nacional.

cgloureiro disse...

Creio que o documento até foi aprovado por Lei e publicado em diário da república:

http://dre.pt/pdf1sdip/2007/09/17000/0612606181.pdf

Jose Silva disse...

O grave é que a administração central aposta na região mais rica e não permite que outras regiões façam frente.

GCLoureiro, o documento que indicou não refere textualmente estes paragrafos, que alias são de 2006.

Diogo disse...

É capital!


Jon Stewart, do Daily Show - Em vez de darem milhares de milhões aos bancos, porque não os dão aos consumidores para pagarem as suas dívidas?

Vídeo

Mario disse...

Fim da linha

Há 5 leituras a fazer após o encerramento repentino das linhas do Corgo (Régua-Vila Real) e Tâmega (Livração-Amarante). Primeira: O Governo e a REFER reconhecem que foram os acidentes registados na linha do Tua que levaram a centrar as atenções nas linhas de bitola métrica do Norte do País.
Ou seja, se não fossem as tragédias no Tua, a política de segurança nestas vias continuaria a ser do “deixa andar”.
Segunda: os investimentos agora anunciados para as linhas do Corgo e Tâmega significam que o desleixo é tal, que só à custa duma injecção de 40 milhões de euros é possível garantir a segurança dos passageiros. Terceira: o tempo dirá se as promessas de investimento são mesmo para cumprir ou se tudo não passa duma forma hábil de refrear os ânimos dos autarcas e populações.
É que é difícil acreditar que, subitamente, quem pouco ou nada investiu nestas linhas nos últimos anos (REFER), quem emparedou estações e alterou horários (CP) venha agora anunciar um avultado programa de modernização, que, pasme-se, até inclui a supressão e automatização de passagens de nível!
Quarta: reabertura da linha do Tua está totalmente dependente da construção da barragem e desengane-se que acredita que a EDP vai construir um corredor ferroviário alternativo.
Quinta: coincidência ou não, o encerramento destas linhas faz lembrar um estudo que a CP guarda na gaveta desde 1984 e que prevê limitar a circulação na Linha do Douro até à estação da Régua. O certo é que o Governo sacode a água do capote sempre que se fala em reabrir o troço Pocinho-Barca d´Alva e, com a construção da barragem de Foz Tua, terá um forte argumento para restringir o troço Régua-Pocinho à circulação de mercadorias e Comboios Históricos.
No mínimo, é estranha a forma como foram encerradas as linhas do Corgo e Tâmega. Estranha, porque primeiro foi decretada a suspensão da circulação e só depois conhecido o programa de investimento. Noutras circunstâncias, as obras de modernização teriam sido anunciadas com pompa e circunstância, possivelmente numa tenda gigante…
http://www.jornalnordeste.com/index.asp?idEdicao=262&id=11590&idSeccao=2395&Action=noticia

Filipe disse...

Acordem!!!!
Resumo: Não há verbas para Lisboa, mas como este pais é uma valente me#"#", podem usar as verbas dos outros sitios q ninguem nota!!!

Resolução do Conselho de Ministros nº86/2007
Pag 98 :
"Deveremos todavia assinalar que o QREN argumenta
explicitamente que as restrições territoriais impostas
não só diminuem as possibilidades de concretizar,
com apoio financeiro comunitário de carácter
estrutural, políticas públicas de desenvolvimento de âmbito
nacional, como são especialmente gravosas para
as dinâmicas nacionais de desenvolvimento económico,
social e territorial ao prejudicarem, de forma significativa,
a possibilidade de beneficiar dos efeitos de
difusão territorial de investimentos realizados na região
de Lisboa.
Registamos com agrado que esta preocupação (reforçada
em contactos posteriores com a Comissão) foi
entendida e é partilhada pelos serviços da Comissão
Europeia que, na apreciação efectuada ao QREN referem
o seguinte: «Considering that investments in the
region of Lisbon have always had a strong spill-over
effect to the benefit of all other regions, this significant
reduction of community resources will require a
particular attention to avoid serious repercussions at
national level. The NSRF could be improved by
addressing this issue.
Nos contactos estabelecidos com a Comissão foi
explicitado o carácter excepcional da situação reconhecida
como particularmente relevante em Portugal, cuja
justificação decorre de ser um dos poucos Estados-
-Membros onde os fenómenos de capitalidade são especialmente
significativos."


Já não há mais pachorra para os aturar!

António Alves disse...

meus caros, vcs têm andado distraídos. por ests e por outras é que eu há muito digo que isto só lá vai à força (literalmente).

os documentos estão todos aqui há muito:

http://www.territorioportugal.pt/pnpot/

JOSÉ MODESTO disse...

REGIONALIZAÇÃO
Eis a questão.

Dentro de uma visão psicológica, diz-se que o ser humano Maduro, é aquele que tem
uma grande experiência de vida e uma visão melhor dessa no sentido filosófico.

Portugal é um País com assimetrias regionais bastante acentuadas, nas áreas mais pobres
investimos mais na construção de equipamentos e de infra-estruturas do que na promoção
de actividades que permitam a criação de emprego.
Facilmente assiste-se ao encerramento de um centro médico… e á abertura, por exemplo uma piscina municipal!!!

Não tenhamos dúvidas, todos queremos o melhor para a nossa Região.

Apesar de estar firmemente convicto que a instituição das regiões administrativas possam contribuir para reduzir os gastos públicos,
o que considero, verdadeiramente, essencial é que, não os aumentam.
Portugal está abaixo da média da UE em termos de autarcas eleitos. É pura demagogia, para não dizer outra coisa, dizer-se que Portugal
tem excesso de representação autárquica.
Aonde Portugal apresenta indicadores, verdadeiramente, excessivos é em termos de nomeações políticas por parte do poder central e,
também, no número de deputados da Assembleia da República. O acto de Iniciar ou fazer Politica não tem nem deve ser efectuado
somente na Capital, poder-se-á fazer ou iniciar na região onde o Futuro Politico dessa fora a escolha dos cidadãos.

O tema Regionalização não terá muita relevância nos próximos debates eleitorais.
Em altura de crise, haverá outras prioridades. Além disso, todos sabemos que num momento de crise
todos os Estados se Centralizam….
Vamos continuar com o debate aberto, fazendo com que o mesmo Fique Maduro
actual e que num futuro próximo se faça a consulta Popular, mas atenção:
Se desta vez falhar, então não haverá Regionalização tão depressa. Costuma dizer-se que não há duas sem três.

Saudações Marítimas
José Modesto

Leituras recomendadas